Polícia isola área de confronto agrário no Paraná

Um dia após a morte do sem-terra Elias Gonçalves De Meura, 20 anos, durante a invasão da Fazenda Santa Filomena, em Planaltina do Paraná, o clima continua tenso na região, mas agora sob a vigilância de 90 soldados do 8º Batalhão da Polícia Militar. A área foi isolada para evitar novos confrontos entre as 400 famílias ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) acampadas na área, e os seguranças da fazenda, principais suspeitos de matarem o jovem. Para amenizar a situação, o governo estadual nomeou um delegado especial para apurar as responsabilidades sobre o tiroteio entre os integrantes da fazenda e do MST. Segundo o secretário da Segurança, Luiz Fernando Delazari, o objetivo é agilizar as investigações. "Nós estamos conseguindo manter um bom controle sobre os conflitos no campo, mas infelizmente aconteceu esse problema, que desejamos solucionar com rapidez", disse. O isolamento da área começou na tarde de sábado, após o fim do conflito que demorou quatro horas. A polícia local precisou pedir reforços de outras cidades e isolou as duas estradas, próximas à BR-376, que dão acesso à fazenda. "Com o passar do tempo liberamos a passagem de carros, mas mantivemos um efetivo para o controle das pessoas", disse o soldado Hamilton André, do 8º BPM em Planaltina. Apesar do cerco, a polícia ainda não encontrou a arma do crime e nenhum dos seguranças envolvidos no tiroteio. Um dos principais motivos da dificuldade é a extensão da fazenda, de aproximadamente 800 alqueires. "Estamos procurando em toda a região, assim como levantando os nomes dos responsáveis", disse Hamilton. A Fazenda Santa Filomena pertence a Francisco Carvalho Gomes, e segundo nota divulgada pelo MST, foi vistoriada em 1997 e considerada improdutiva. "Depois disso, o Incra instruiu um processo de desapropriação para fins de reforma agrária", diz a nota. A direção estadual do MST foi procurada pela reportagem, mas não retornou as ligações telefônicas. Além da morte de Elias, Mario Iusten 36 anos, Antônio Cordeiro de Oliveira, 43, Maria Luiza da Silva, 28, Ademar Krug, 49 e Darci Ferreira Dias, 42 anos, ficaram feridos e foram levados para o Hospital de Planaltina. José da Silva Soares teve problemas cardíacos, mas passa bem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.