Leonardo Prado/Divulgação
Leonardo Prado/Divulgação

Polícia Federal vai investigar Rodrigo Bethlem

Abertura de inquérito criminal é autorizada pelo Supremo para apurar suspeita de corrupção passiva e lavagem de dinheiro contra deputado

LUCIANA NUNES LEAL, O Estado de S. Paulo

08 de agosto de 2014 | 11h30

Rio - A Corregedoria da Polícia Federal em Brasília será responsável pela investigação do deputado Rodrigo Bethlem (PMDB-RJ) por suspeita de corrupção passiva, evasão de divisas e lavagem de dinheiro. A abertura de inquérito criminal foi autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nessa quinta-feira, 7, a pedido do procurador geral da República, Rodrigo Janot.

O ministro do Supremo Gilmar Mendes encaminhou o processo à Corregedoria da Polícia Federal, que investigará as viagens de Bethlem ao exterior nos anos de 2010 e 2011. Em gravações feitas pela ex-mulher, Vanessa Felippe, o deputado disse ter uma conta bancária na Suíça, não informada à Receita Federal. Nas conversas, Bethlem admite que recebia comissões ilegais de ONGs prestadoras de serviço da prefeitura, quando ocupou a Secretaria Municipal de Assistência Social, entre 2011 e 2012.

Bethlem disse que tinha renda mensal de R$ 100 mil, quando recebia R$ 18 mil mensais. O parlamentar é suspeito de receber entre R$ 60 mil e R$ 80 mil da ONG Casa Espírita Tesloo, que tem uma série de contratos com a secretaria. Bethlem também mencionou recebimento ilegal de benefícios de uma empresa responsável por distribuição de lanches. A investigação ficará concentrada em Brasília e a Superintendência da Polícia Federal do Rio de Janeiro será acionada para diligências, como o interrogatório de Vanessa Felippe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.