Polícia Federal vai criar grupo contra corrupção

A Polícia Federal vai criar um grupo especial de delegados para centralizar ações de combate à corrupção, um dos destaques do discurso de posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.O anúncio foi feito nesta quinta-feira pelo delegado aposentado Paulo Lacerda, escolhido novo diretor-geral da PF pelo ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos. Lacerda disse que só pretende falar sobre possíveis mudanças após reunião com a cúpula da PF, o que ocorrerá depois de tomar posse, na segunda-feira.Mas a prioridade máxima será combater a corrupção e o crime organizado. ?Ainda irei conversar com o ministro da Justiça, mas estas duas metas fazem parte do governo de Luiz Inácio Lula da Silva e vamos ajudar a executá-la.? Além de confirmar o nome de Lacerda, Bastos anunciou como secretário-executivo da pasta o atual diretor de Assuntos Estrangeiros do ministério, Luiz Paulo Teles Barreto, e empossou três secretários nacionais: Luiz Eduardo Soares (Segurança Pública), Emília Fernandes (Mulher) e Nilmário Miranda (Direitos Humanos).Discreto, mas considerado um dos melhores investigadores de crimes do colarinho branco, Lacerda foi o responsável pela elucidação do Esquema PC, comandado pelo tesoureiro de campanha do ex-presidente Fernando Collor, Paulo César Farias, para desviar recursos públicos.Também coube a ele a criação da Divisão de Repressão ao Crime Organizado e Inquéritos Especiais (Decoie), grupo de elite especializado em crimes financeiros. O delegado pretende ampliar a Decoie, praticamente extinta na atual administração. ?A idéia não é ter apenas o pessoal especializado, mas atuando em áreas específicas.?ReaçãoPelo menos duas alas da PF não gostaram da escolha de Lacerda: a Federação dos Policiais Federais, que defendia a nomeação de seu presidente, Francisco Garisto, e delegados que não admitem sua ligação com o senador Romeu Tuma (PFL-SP), de quem foi assessor em diversas Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs).Além disso, Lacerda vai enfrentar outro problema na instituição: a medida provisória que cria a guarda federal fardada, criticada pela categoria. ?Não discuti, ainda, dentro da PF e com o ministro este assunto?, disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.