Polícia Federal divulga nota em resposta a críticas no Congresso

O Departamento de Polícia Federal (DPF) divulgou na noite desta quinta nota à imprensa em reação às críticas feitas no Congresso à divulgação de nomes de parlamentares contidos em lista de pessoas que estavam sendo investigadas por suposto envolvimento no escândalo das ambulâncias. A nota, assinada pela Divisão de Comunicação Social do DPF nega que a Polícia Federal "tenha produzido relatórios sobre o envolvimento de parlamentares nos crimes em questão". Eis a íntegra da nota:"Em razão de notícias veiculadas na mídia nacional nos últimos dias quanto à Operação Sanguessuga, em especial no que se refere ao envio da relação de parlamentares citados no decorrer de mais de 12 meses de investigação, o Departamento de Polícia Federal esclarece que:Em 25 de abril de 2006, colhidos elementos suficientes para os indiciamentos, o Departamento de Polícia Federal requereu o encerramento das interceptações de comunicações, bem como a expedição de mandados de busca e apreensão e de prisão temporária de cerca de 50 pessoas.Além de decidir as medidas de restrição de liberdade, a autoridade judiciária federal acolheu requerimento do Ministério Público Federal, determinando que a PF, no prazo de 48 horas, produzisse um relatório contendo todas as a referências a parlamentares colhidas no curso das gravações.Após receber da Polícia Federal, no prazo estabelecido, o relatório do Núcleo de Inteligência no Mato Grosso, o Juiz Federal enviou aos presidentes dos Senado Federal e da Câmara dos Deputados a lista de parlamentares mencionados em conversações telefônicas.No transcorrer das apurações relativas à Operação Sanguessuga, a Polícia Federal investigou e investiga apenas pessoas que não gozam de prerrogativa de foro especial, sendo descabidas as insinuações de que tenha produzido relatórios sobre o envolvimento de parlamentares nos crimes em questão."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.