ED FERREIRA/ESTADAO
ED FERREIRA/ESTADAO

Polícia Federal confirma depósitos para Collor na Lava Jato

Senador é suspeito de receber dinheiro do doleiro Alberto Youssef em sua conta bancária; senador ainda será ouvido pelos investigadores

Talita Fernandes e Beatriz Bulla, O Estado de S. Paulo

08 de julho de 2015 | 22h22

Brasília - A Polícia Federal confirmou ao Supremo Tribunal Federal a obtenção de  oito comprovantes de depósito em nome do senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL) no âmbito das investigações da Operação Lava Jato. O senador e ex-presidente da República é alvo de um inquérito que tramita no STF para apurar suposto envolvimento do parlamentar no esquema que desviou recursos da Petrobrás.

Investigadores haviam solicitado esses comprovantes para comprovar a fala do doleiro Alberto Youssef, um dos delatores da Lava Jato, com o objetivo de reforçar os indícios de participação do ex-presidente no esquema. Em depoimentos prestados em acordo de delação premiada, o doleiro disse ter feito "vários depósitos" ao senador. Collor é acusado de ter recebido no total R$ 50 mil de Youssef por meio de depósitos em espécie.

Os comprovantes foram apreendidos com o doleiro no ano passado, quando ele foi preso na Operação Lava Jato. O documento será adicionado a outros indícios da suposta participação de Collor no esquema que desviou recursos da Petrobrás. Em maio, o ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no STF, autorizou quebra de sigilo bancário e fiscal do senador. 

Youssef disse ainda que, além dos depósitos, autorizou entregas de dinheiro em espécie para o parlamentar. O doleiro relatou também que em uma das operações, a entrega foi feita por seu funcionário, Rafael Angulo, que levou o dinheiro até Alagoas. Tido como "mensageiro" de Youssef, Angulo realizou delação premiada que foi homologada recentemente pelo ministro Teori Zavascki. A delação pode reforçar a investigação de políticos no STF. 

A PF conseguiu ainda confirmar a ida de Pedro Paulo Leoni, ex-ministro de Collor, aos escritórios de Alberto Youssef. Para conclusão das investigações, os policiais aguardam ainda algumas oitivas, entre elas a do próprio senador, que deverá ser o último a prestar os depoimentos e do ex-diretor da BR Distribuidora, José Zonis, e de João Mauro Boschier, sócio da empresa GPI Participações e Investimentos. Investigadores suspeitam que Collor tenha se valido de sua influência nas indicações da BR Distribuidora para obter vantagens indevidas.

Ainda deverá ser ouvido o empresário Carlos Alberto de Oliveira Santiago, da rede de postos Aster. Embora a oitiva já tivesse sido marcada, o empresário apresentou documentos dizendo impossibilitado de comparecer à PF por problemas de saúde. "No entanto, sua oitiva se mostra fundamental à elucidação dos fatos sob apuração, restando meramente sobrestada enquanto não houver evolução de seu quadro", disseram os investigadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.