Polícia Federal chega a Campos (RJ) para garantir tranqüilidade

A partir das 7 horas de domingo, cerca de 600 homens da Brigada de Infantaria Pára-quedista do Rio de Janeiro ocuparão pontos estratégicos de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense. A presença dos oficiais é mais uma tentativa de garantir tranqüilidade aos eleitores da cidade, onde o clima na véspera do 2º turno das eleições é bastante tenso. A juíza Maria Teresa Gusmão pediu a uma rádio de Campos cópias das gravações do programa em que o ex-governador Anthony Garotinho passou cerca de três horas, na manhã deste sábado, defendendo-se da operação do Ministério Público Eleitoral, que apreendeu R$ 318 mil na sede do PMDB municipal na noite de sexta-feira. A juíza recebeu denúncia de que a programação foi utilizada política e eleitoralmente. Garotinho acusou a Justiça Eleitoral de parcialidade. "A justiça campista tem agido da forma mais exemplar possível e trabalhando em equipe. Quando não se concorda com uma decisão, o procedimento é recorrer", disse a juíza. Ela afirmou que o pleito transcorrerá sem problemas e que o julgamento das ações contra as duas candidaturas só terá reflexo após a eleição. Ela também afastou qualquer possibilidade de fraude nas urnas eletrônicas. Por determinação da juíza, crianças não serão permitidas com os eleitores nas cabines eleitorais. Também será redobrada a conferência das assinaturas dos títulos. Maria Teresa quer tranqüilizar a população diante dos boatos na cidade de que os candidatos poderiam identificar o voto dos eleitores, empregando crianças para isso, ou comprar títulos para que terceiros votem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.