Polícia encontra mais uma central telefônica do PCC

Após 40 dias de investigações, passando-se por compradores de drogas, policiais civis da Delegacia de Investigações sobre Entorpecenetes (Dise) de São Bernardo do Campo, no grande ABC paulista, prenderam, no final da tarde desta quarta-feira, quatro pessoas que comandavam uma central telefônica clandestina, do Primeiro Comando da Capital (PCC). Por volta das 16h30, Edi Carlos Valentim Viana, 31, e Darci Fernandes do Prado Júnior, 24, foram detidos no interior do Shopping Butantã, na zona Oeste da capital paulista, com 4 kg de cocaína, no momento em que iriam vender a droga aos policiais. Já cientes de que os dois poderiam fazer parte de uma quadrilha do PCC, os investigadores conseguiram descobrir,por meio das ligações feitas via celular pela dupla detida, uma residência, localizada na Rua Amália Cordelli Cardenuto, próximo à Avenida Mateo Bei, em São Mateus, zona Leste da cidade de São Paulo. No interior da casa estavam o menor A.P.S., 16, e Eliane Pereira Santos, 27. Na casa foi encontrado uma central telefônica clandestina, com três aparelhos e duas linhas, no valor de R$ 700,00, além de um revólver calibre 38 e folhas de papel contendo o "estatuto geral do PCC". Segundo o delegado Gilmar Camargo Bessa, da Dise de São Bernardo, o marido de Eliane, Cléber Dias Santos, está preso na penitenciária de Mirandópolis, no interior do Estado, e fazparte do PCC. A polícia conseguiu rastrear as ligações recebidas por Edi Carlos e Darci e verificou que muitas delas foram feitas de presídios da região de Mirandópolis, onde estariam os donos da droga, que usavam os quatro bandidos como intermediários da compra e venda da cocaína. "Agora nós faremos um levantamento destas ligações para sabermos de quem são essas linhas e se os verdadeiros donos delas são ligados ao PCC", disse o delegado Bessa. O menor confessou aos policiais que o revólver é dele. A.P.S. será encaminhado para uma unidade da Fundação Estadual para o Bem-Estar Social do Menor (Febem). Os outros três detidosserão indiciados por tráfico de drogas e formação de quadrilha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.