Polícia encontra dois corpos em fazenda no Pará

Policiais civis encontraram hoje oscorpos dos trabalhadores Valdivan Ferreira da Silva, de 27 anos,e de Valdir Sabino da Silva, de 30, enterrados numa cova rasadentro da fazenda Abrolho Verde, em Novo Repartimento, nosudeste do Pará. Eles não eram posseiros e nem pretendiaminvadir a fazenda. Haviam sido contratados por colonos jáassentados pelo Instituto Nacional de Colonização e ReformaAgrária (Incra) no Assentamento Rio Gelado, para levantarbarracos em outros lotes de terras que o órgão está demarcandona área. As vítimas foram sepultadas no cemitério municipal deNovo Repartimento. A fazenda, de 63 mil hectares, está dentro de uma áreade 942 mil hectares da União e é reivindicada pelo ex-piloto daAeronáutica Edward Lopes, o Vadinho. Lopes é suspeito de vários crimes. Entre eles: homicídios, ocultação de cadáveres, crime de ameaça e definanciar pistoleiros acusados de atirar contra um ônibus quetransportava soldados do Exército e servidores da JustiçaEleitoral na véspera do segundo turno das últimas eleições. Lopes foi preso no começo da semana passada em Tucuruípor soldados do Exército e agentes da Polícia Federal. Na casadele foram encontradas uma submetralhadora, escopetas, revólveres efarta munição. Suspeita O superintendente da Polícia Civil no sul doPará, delegado Sílvio César Maués, disse que na fazenda podeexistir um cemitério clandestino, onde também estariamenterrados os posseiros conhecidos por Pedro e Negão. Elesteriam sido mortos em junho passado por pistoleiros dofazendeiro, segundo moradores da região. Em depoimento à polícia, o ex-piloto da Aeronáuticaafirmou que não mandou atirar contra o ônibus do Exército nemmatar lavradores. Mas disse: "Se eu encontrasse algum deles nasterras mataria pessoalmente". O fazendeiro se diz perseguidopelo Incra, que o acusa de grilagem. "A fazenda é minha, eu acomprei do advogado paulista Luís Andrade, há 14 anos, e tive depagar duas vezes a cinco grileiros para poder investir nolocal".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.