Polícia do Senado retira manifestantes contrários a Sarney

Grupo vestia máscaras cirúrgicas e abriu faixa de protesto contra a permanência do presidente do Senado

Carol Pires, Agência Estado

04 de agosto de 2009 | 16h53

Cerca de 25 manifestantes foram obrigados pela Polícia Legislativa do Senado, há pouco, a se retirar da galeria do Senado, onde exibiam uma faixa com os dizeres "Fora Sarney". Os manifestantes entraram na galeria e, em silêncio, vestiram máscaras cirúrgicas e abriram a faixa de protesto contra a permanência do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), no cargo, por causa das denúncias de envolvimento em irregularidades.

 

Veja também:

video O bate boca entre Renan Calheiros e Pedro Simon

video Fernando Collor manda Pedro Simon engolir o que disse

linkSarney diz que ação contra 'Estado' foi decisão de seu filho

linkPossibilidade de deixar cargo 'não existe', diz presidente

especialNas páginas do Estadão, a luta contra a censura

linkCensura não intimidou em 68 e jornal foi apreendido

 

Ao perceber a manifestação, o senador Adelmir Santana (DEM-DF), que presidia a sessão, pediu que a Polícia Legislativa tomasse alguma providência. Os agentes abordaram o grupo e lhe arrancaram a faixa. O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (SP), Vivaldo Araújo, afirmou ter sido atingido por um dos policiais com um murro no rosto durante a abordagem.

 

Outro manifestante, o sindicalista André Luiz Gonçalves, de São José do Campos (SP), explicou que o grupo veio a Brasília para participar, na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), no Senado, de uma audiência pública sobre as demissões na Embraer na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, e aproveitou a ocasião para protestar contra Sarney. "O presidente do Senado é corrupto e deve ser derrubado. Estávamos protestando em silêncio, e nos agrediram", disse Atenágoras Lopes, diretor Coordenação Nacional de Lutas (Conlutas).

 

Os manifestantes vieram de vários Estados, como Pará, Rio de Janeiro, Goiás e São Paulo. São ex-funcionários (demitidos) da Embraer, e militantes da Conlutas e do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos. O grupo, enquanto era escoltado pela Polícia Legislativa até a saída do Senado, ainda protestava e gritava "Fora Sarney". Segundo Antônio França, coordenador do grupo de policiais que fazem a segurança do plenário, ninguém será autuado.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
ConlutasSenadoJosé Sarney, Sarney

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.