Polícia do Paraná prende quadrilha que desviava recursos da Educação

Entre os detidos na ação, está o ex-diretor da Secretaria de Educação do Paraná entre 2011 e 2014, Maurício Fanini; suspeita é de que desvios eram feitos por meio de contratos com empreiteiras para construção

Julio Cesar Lima, O Estado de S. Paulo

22 de julho de 2015 | 14h16

 

CURITIBA - O ex-diretor de Engenharia, Projetos e Orçamentos da Secretaria de Estado de Educação do Paraná entre 2011 e 2014, Maurício Fanini, foi um dos cinco detidos na manhã da última terça-feira, 21, em Curitiba (PR), pela operação intitulada "Quadro-Negro", deflagrada pelo Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) e o Núcleo de Repressão a Crimes Econômicos (Nurce). A operação objetiva prender uma organização suspeita de desviar recursos públicos por meio de contratos com empreiteiras para construção de escolas. 

Além de Fanini, a polícia prendeu mais quatro pessoas e cumpriu nove mandados de busca e apreensão. A estimativa, segundo a polícia, é de que já tenham sido desviados R$ 25 milhões. Eles responderão por tentativa de fraude a licitação, associação criminosa, falsidade ideológica e peculato. 

Fanini ocupava a direção da autarquia Fundepar, que posteriormente formou 12 contratos com o governo estadual com a empresa Valor Construtora e Serviços Ambientais, que era representada por Eduardo Lopes de Souza, Viviane Lopes de Souza, Tatiane de Souza e Vanessa Domingues de Oliveira, presos.

Segundo o delegado do Nurce, Renato Figueroa, Eduardo seria o dono da empresa e sua irmã Viviane assinava os projetos como responsável técnica, enquanto Tatiane e Vanessa foram consideradas laranjas. Os dez contratos que estavam em execução não eram sequer fiscalizados e as obras transcorrem normalmente.

Em entrevista coletiva, o delegado Renato Figueroa disse que os presos ficarão detidos por cinco dias. "Durante a prisão temporária, de cinco dias, os presos serão interrogados e deverão passar por acareações", avaliou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.