Polícia do Pará diz que governo "radicalizou"

O presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Pará, Justiniano Alves Júnior, afirmou que, embora o governo estadual tenha "radicalizado" sua postura de não conceder qualquer reajuste salarial aos policiais civis, em greve há oito dias, o movimento continua "cada vez mais fortalecido". Ele disse que, sem reajuste de 30% no salário, os policiais não voltarão ao trabalho. Durante passeata realizada à tarde, cerca de 400 policiais tentaram falar com o secretário de Defesa Social, Paulo Sette Câmara, que se recusou a receber os grevistas. "Está aí mais uma demonstração de intransigência", acusou Justiniano. A assessoria de Sette Câmara informou que o secretário só irá receber os representantes dos policiais quando a categoria retornar ao trabalho. Justiniano divulgou o balanço da greve em todo o Estado. A adesão ao movimento está entre 83% e 84%, na capital, 75% e 78%, no interior, afirma. O presidente do Sindicato de Servidores Públicos da Polícia Civil, Moacir Freitas, criticou algumas exonerações que estariam ocorrendo em órgãos como o Departamento de Polícia Civil da capital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.