Polícia de Taiúva investiga falso médico

A polícia de Taiúva, na região de Ribeirão Preto, investiga aatuação de um falso médico, que teria trabalhado ainda em três outras cidades próximas: Taiaçu, Jaboticabal e Monte Alto. Fernando Bizzari, de 24 anos, começou a trabalhar no Hospital Municipal de Taiúva em 27 de janeiro, no dia em que o ex-aluno Edimar Aparecido Freitas, de 18 anos, atirou 14 vezes contra nove pessoas na Escola Estadual CoronelBenedito Ortiz e depois suicidou-se. As vítimas de Freitas foram levadas para o hospital local, mas Bizzari não os teria atendido (eles só teriam recebido reposição hídrica e transferidos para Bebedouro), segundo a secretária Municipal de Saúde, Maria do Carmo Velho. Odelegado da cidade, Márcio Garcia Murari, pediu a prisão temporária de Bizzari, que usava um carimbo falso de médico.Maria do Carmo afirma que Bizzari não fez procedimentos médicos em Taiúva, mas que provavelmente teria feito isso em Monte Alto e em outras cidades. "Aqui ele só atuou na organização do Programa de Saúde da Família", diz ela. A direção do hospital pediu a documentação profissional de Bizzari - que dizia ter se formado na Universidade deSão Paulo (USP), sem citar a cidade - para remunerá-lo, mas isso não ocorreu. O número de registro no Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) que ele passou existe, mas pertence a um ortopedista de São José do Rio Preto. Seu nome não consta no Cremesp. Bizzari recebeu salário de apenas três dias trabalhados em janeiro e o restante ficou condicionado à apresentação dos documentos.A polícia investiga o paradeiro de Bizzari, que ficou no hospital de Taiúva até 19 de fevereiro. Segundo Maria do Carmo, ele dizia morar em Monte Alto e que sua família era de Itápolis. Os endereços residenciais apresentados nas cidades onde trabalhou como médico são de FernandoPrestes e Tabatinga, mas inexistentes. Em Fernando Prestes ele teria praticado um estelionato. O delegado Murari disse que recebeu uma informação de que Bizzari teria feito um curso de enfermagem, mas isso ainda não foi confirmado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.