Polícia da Câmara imobilizou manifestantes com 'gravata'

A polícia da Câmara reagiu com força e detenção à manifestação contra a permanência do presidente da Comissão de Direitos Humanos da Casa, Pastor Marcos Feliciano (PSC-SP), no corredor de acesso ao gabinete do deputado. Os manifestantes não pararam na barreira formada pelos seguranças próxima ao gabinete e houve tumulto. Os policiais imobilizaram manifestantes passando o braço em torno do pescoço, a chamada "gravata".

DENISE MADUEÑO, Agência Estado

27 de março de 2013 | 18h09

Allyson Rodrigues, servidor público, foi detido por policiais da Câmara e presta depoimento neste momento. Vários manifestantes afirmaram que havia um assessor de Feliciano junto com policiais, desferindo socos nas pessoas que protestavam contra o deputado. Mais cedo, o manifestante Marcelo Reges Ferreira, antropólogo, também foi detido pela política da Câmara, na sala da Comissão de Direitos Humanos, a pedido de Feliciano. Ele estava no grupo de manifestantes que chamou o deputado de racista, durante a gritaria generalizada na comissão.

Tudo o que sabemos sobre:
felicianodireitos humanospolícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.