Polícia arma forte esquema para receber Lula em Goiânia

Numa repetição do que tem ocorrido nas suas últimas viagens, um fortíssimo esquema de segurança foi preparado para receber o presidente Luiz Inácio Lula da Silva na sede da prefeitura de Goiânia (GO) para evitar que ele sofresse algum tipo de constrangimento. Apesar de o prédio ficar localizado em uma área completamente afastada do centro, mais precisamente na estrada para São Paulo, todo o perímetro foi fortemente policiado para evitar manifestantes ou a entrada dos sem-terra que desde o fim de semana acamparam nas proximidades.À noite, Lula teve de mudar seu trajeto para evitar os cerca de 80 manifestantes do MST que gritavam palavras de ordem em frente ao Centro de Convenções de Goiânia. Ele entrou pelos fundos, para não deparar com os protestos.A maior preocupação do pessoal da segurança era com alguns sem-terra, cerca de 70, que desde o fim de semana acamparam nas proximidades de uma das entradas da sede da prefeitura. Lula, no entanto, não deve ter visto o recém-criado acampamento, já que chegou e saiu de helicóptero da sede da Prefeitura.Além dos sem-terra, a segurança do presidente teve uma outra preocupação: com os próprios servidores da prefeitura, comandada por um petista, Pedro Wilson. Para evitar problemas com os funcionários, vaias ou algum tipo de constrangimento, a segurança pediu que os funcionários fossem dispensados. Dos 700 funcionários, apenas cerca de 200, a maior parte ocupantes de cargos de confiança puderam permanecer no local.Ainda por recomendação da segurança, nenhum carro sem credencial estava autorizado a entrar no perímetro da prefeitura, que ocupa uma imensa área. Uma das entradas foi fechada com um caminhão e dois carros da polícia militar e rodoviária e a outra com dois caminhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.