Polícia ainda não encontrou José Rainha

A polícia procurou em vão hoje o líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), José Rainha Júnior, no Pontal do Paranapanema. Rainha e outros quatro líderes tiveram a prisão preventiva decretada pelo juiz Abis de Araújo Oliveira, de Teodoro Sampaio, por formação de quadrilha, na última quinta-feira. Eles são acusados de terem impedido o assentamento de famílias do grupo dissidente Movimento dos Agricultores Sem Terra (Mast) na Fazenda Guaná-Mirim, no município de Euclides da Cunha.Policiais militares e rodoviários montaram barreiras durante a noite nas rodovias da região, sem sucesso. Segundo informações da coordenação regional do MST, Rainha viajou para São Paulo na quarta-feira e não retornou para o Pontal. Outros seis sem-terra que tiveram decretada a prisão preventiva estão detidos desde quinta-feira em cadeias da região. O advogado do MST no Pontal, Hamilton Henriques, deve entrar na segunda-feira com pedido de relaxamento do pedido de prisão preventiva em favor dos líderes do MST.Edenilton Henriques Batista, Edson Lourenço de Souza, José Guilherme dos Santos, Américo Moreira de Azevedo, Alcides Gonçalves e Rosalina Rodrigues de Oliveira foram localizados e presos por policiais civis e militares, em Euclides da Cunha Paulista, na quinta-feira passada. Os cinco homens foram levados para a cadeia de Presidente Venceslau e a mulher à cadeia feminina de Piquerobi. José Rainha Júnior, que há seis dias deixou a cadeia de Presidente Venceslau, onde esteve preso durante 24 dias por porte ilegal de arma, foi libertado no início da tarde do sábado dia 18, por força de uma liminar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.