Polêmica sobre transposição é 'desnecessária', diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou hoje, durante entrevista a emissoras de rádio no canteiro de obras de transposição do Rio São Francisco, que o debate em torno do projeto é "uma celeuma desnecessária e fora do tempo". A uma pergunta sobre a preocupação de ambientalistas com o risco de o rio se enfraquecer e de vir a faltar água em Minas Gerais por causa do seu aproveitamento no Nordeste do País, o presidente respondeu que os 26 metros cúbicos de água que serão retirados do rio por segundo equivalem a "um copo de água", se for levado em conta o volume do São Francisco.

NERI VITOR EICH, Agencia Estado

15 Outubro 2009 | 12h33

"Essa água iria para o mar, não iria passar na casa de ninguém, na fazenda de ninguém, ela iria diretamente para o mar. Nós estamos tirando 26 metros cúbicos por segundo para atender a 12 milhões de pessoas de mais de 390 cidades do semiárido", afirmou Lula.

Ele acrescentou que o governo, antes de começar a retirada da água, teve "o cuidado e a responsabilidade de assumir o compromisso da revitalização do rio". Ele observou que isso pressupõe fazer o esgotamento sanitário em todas as cidades e recuperar as margens do São Francisco, replantando as matas ciliares, fazendo "um verdadeiro mutirão de recuperação, em todo o percurso, o que significa uma obra de grande envergadura".

O presidente concluiu a argumentação afirmando que "a água é criada pela natureza, o rio é federal, é o rio da integração nacional" e que seu governo está fazendo apenas aquilo que Dom Pedro (II) queria fazer em 1847.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.