ANDRE DUSEK/ESTADÃO
ANDRE DUSEK/ESTADÃO

Podemos ter até 10 votos a mais do que na primeira denúncia, diz Padilha

Ministro da Casa Civil, que também é denunciado, afirma que governo terá mais votos para barrar acusação da PGR

Carla Araújo e Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2017 | 17h53

BRASÍLIA - Na véspera da votação da denúncia por organização criminosa e obstrução da Justiça contra o presidente Michel Temer, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, que também é denunciado na peça apresentada pelo ex-procurador-geral Rodrigo Janot, afirmou que está tranquilo e que o governo tem "confiança absoluta na base". "Vamos ter em princípio o mesmo número de votos, podendo ter uma variação para cima de até 10 votos", disse ao Broadcast Político/Estadão.

+++ Temer e ministros são notificados de leitura do parecer da denúncia

O ministro afirmou que, depois de passada esta etapa, com a possível derrubada da denúncia, o governo vai olhar "para frente" e investir na continuidade da retomada do crescimento econômico. Padilha não quis fazer comentários sobre possíveis retaliações a eventuais traições, mas disse que o governo "não trata com infiéis". "Vamos ver a votação, a base vai corresponder à nossa expectativa e depois vamos olhar para frente. O Brasil já está andando a passos largos e queremos aumentar a velocidade", disse.

+++ Aliados dizem que quem votar contra Temer amanhã será tratado como oposição

Padilha rechaçou a versão de que há um balcão de negócios em andamento para barrar a segunda denúncia contra Temer e disse que parte do que estão atribuindo como negociação é fruto de uma imaginação que ele não tem. "Veja como as coisas efetivamente acontecem. A bancada ruralista tomou conhecimento da portaria que o Ministério do Trabalho baixou pelo Diário Oficial da União, ela não participou da elaboração, não sabia do que estava acontecendo e é atribuído como se fosse uma negociação. Uma negociação que as partes não sabiam", criticou.

Padilha, que adiantou que a sanção da Medida Provisória do Refis sairá nesta quarta no Diário Oficial da União, disse que a portaria era uma postulação feita por empresários há anos. Segundo ele, a medida é necessária para que empresários consigam uma certidão negativa de débito e possam acertar as contas com a Fazenda.

+++ Paulo Bauer: Aécio permanece como presidente licenciado até nova eleição

"Foi isso que se fez para que eles (empresários) pudessem ter acesso ao crédito, gerar emprego e para ter a economia andando", disse. Após comemoração dos ruralistas e críticas de entidades e da própria Procuradoria-Geral da República, o governo admitiu que vai rever a regra que alterou o conceito de trabalho análogo à escravidão.

Tudo o que sabemos sobre:
Michel TemerEliseu Padilha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.