Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Podemos adota figurino ‘lavajatista’ e tenta se tornar maior bancada do Senado

Partido espera chegar a 11 parlamentares na Casa defendendo bandeiras como a investigação a políticos e defesa da CPI da ‘Lava Toga’; meta é ultrapassar MDB, com 12 senadores

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2019 | 09h00

BRASÍLIA – Com plano de ultrapassar a força do MDB no Senado, o Podemos tem abandonado aliados recentes e tenta retomar o figurino “lavajatista” para atrair parlamentares que se dizem da “nova política”. Com bandeiras como a defesa da investigação de políticos e juízes, o partido liderado pelo senador paranaense e candidato derrotado à Presidência em 2018, Alvaro Dias, já caminha em lado oposto ao presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que não aderiu à defesa da instalação da CPI da “Lava Toga” e do impeachment de ministros do Supremo Tribunal Federal.

Recentemente, o partido filiou o senador Marcos do Val (ES), que estava no Cidadania, e conversa com mais dois nomes: Major Olímpio (SP), do PSL, e Carlos Viana (MG), do PSD. Problemas regionais, no entanto, frearam as negociações. Caso feche com os dois, o Podemos chegará a 11 senadores, um a menos que o MDB, que tem a maior bancada do Senado, com 12 parlamentares.

Próximo ao ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública), Alvaro Dias já levou ao partido nomes ligados à Segurança Pública, como Marcos do Val e Capitão Styvenson Valentin (RN). Agora, também avança sobre os senadores José Reguffe (sem partido-DF) e Juíza Selma (PSL-MS). 

Podemos cresce após abandonar antigo nome, PTN

O crescimento ocorre após a sigla abandonar o antigo nome, PTN, em 2017, e adotar uma estratégia ostensiva para aumentar suas bancadas. Na Câmara, passou de nanico – tinha 2 deputados – para uma bancada com 14 integrantes. Atualmente, tem 11.

A nova imagem da sigla no Senado tem sido construída em almoços semanais da bancada. O cardápio dos encontros, toda terça-feira, costuma ser os temas sensíveis à gestão de Bolsonaro. Apesar de se dizer “independente” do Palácio do Planalto, um dos integrantes da bancada é Elmano Férrer (PI), vice-líder do governo.

No Senado, o Podemos apoiou a candidatura de Alcolumbre à presidência da Casa em fevereiro, quando foi eleito com apoio do governo e discurso de renovação política. Na ocasião, o senador do DEM assumiu uma série de compromissos ao chamar “todos” os colegas a serem parceiros da Mesa Diretora, clamou pelo respeito às “prerrogativas parlamentares” e anunciou o fim do “segredismo”. Em outras palavras, prometeu altivez, união e transparência.

Cresce o movimento ‘Muda Senado’; Alcolumbre é visto com desconfiança

Sete meses depois, Alcolumbre é visto internamente, inclusive por aliados da cúpula do Senado, como alguém não cumpridor de palavra e cada vez mais entregue à força do Executivo. Os aliados ainda evitam desgastar publicamente o senador, mas já não escondem a frustração. Um dos que abdicaram da candidatura em prol de Alcolumbre, Alvaro Dias participa de um movimento crescente de insatisfeitos com o presidente da Casa, o “Muda Senado”.

Inicialmente com 12 nomes, o grupo já soma 21 senadores de partidos – a maior parte deles de centro – como Podemos, PSDB, PSD, PSB, Rede, PSL, PP, Patriota e Cidadania. Entre eles, há quatro dos 11 integrantes da Mesa. O grupo “exige” que Davi coloque em votação a abertura da CPI da Lava Toga e dê rápida tramitação a propostas que tratem do Judiciário. Também cobra que ele paute o impeachment de ministros do Supremo, como Dias Toffoli e Gilmar Mendes.

Podcast: Condenações da Lava Jato, como as de Lula, podem ser anuladas?

Eles prometem trabalhar para que os temas sejam priorizados antes de qualquer pauta do Planalto ou da Presidência do Senado, negociados por e com Davi, como a reforma da Previdência, nomes para o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e a indicação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, como embaixador nos Estados Unidos.

“Não pode haver ilusão de progresso enquanto nos bastidores aprofundamos nossos males. Enquanto o compromisso exposto acima não for o compromisso de todos, não contarão conosco”, avisaram os senadores do Muda Senado, integrado que tem no Podemos sua maior força.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.