Pochmann é escolhido para presidir Ipea

Professor da Unicamp e ex-secretário de Marta em SP assume cargo na terça, a convite de Mangabeira

Célia Froufe, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2011 | 00h00

O economista Márcio Pochmann, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), assume a presidência do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) na terça-feira, em substituição a Luiz Henrique Proença Soares, que deixa o cargo. Pochmann informou ontem que aceitou o convite feito por Mangabeira Unger, ministro da Secretaria de Planejamento de Longo Prazo, a quem o Ipea está subordinado. Mangabeira foi o último ministro de Lula a tomar posse e gerou muita polêmica: antes de integrar a equipe ministerial, ele costumava tachar o governo de "o mais corrupto da história" e chegou a sugerir o impeachment do presidente."Pretendo fortalecer o Ipea, que é um instituto estratégico para o Brasil", afirmou Pochmann, por telefone, enquanto participava de um seminário em São José dos Campos, no Vale do Paraíba (SP), ainda como docente da Unicamp.O Ipea tem por finalidade realizar pesquisas e estudos sociais e econômicos que servem de suporte institucional às ações governamentais para a formulação e reformulação de políticas públicas e programas de desenvolvimento. Para isso, conta com mais de 500 servidores, entre os quais 85% dos pesquisadores com mestrado ou doutorado.A escolha de Pochmann reforça a ala desenvolvimentista da equipe econômica, que ganhou espaço no segundo mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva."Sou da universidade e entendo que o papel de um acadêmico dentro de uma instituição é o de dar condições para que o contraditório possa existir", disse o economista. Além de professor do Instituto de Economia da Unicamp, Pochmann é pesquisador do Centro de Estudos de Economia Sindical e do Trabalho (Cesit), da mesma universidade. No mandato de Marta Suplicy na Prefeitura de São Paulo, ele foi secretário de Trabalho, Desenvolvimento e Solidariedade. Entre outras publicações, é autor de A Batalha do Primeiro Emprego.O economista fez questão de ressaltar que será transparente em suas ações à frente do Ipea. "Foi assim enquanto estive na Prefeitura de São Paulo e pretendo continuar da mesma forma em Brasília", afirmou. "Sou um homem simples, da área acadêmica, e espero nunca esquecer tudo o que já escrevi", ironizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.