PNAD mostra 'avanço nas conquistas sociais', afirma Lula

Segundo presidente, melhoria das condições de vida dos cidadãos prova que o País "encontrou seu caminho"

Agência Estado,

21 de setembro de 2009 | 10h01

Os números da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNDA) de 2008 mostram "avanço nas conquistas sociais do povo brasileiro", disse nesta segunda-feira o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no programa semanal de rádio "Café com o Presidente".

 

"Um avanço lento", disse, ao confrontá-lo a uma subida "degrau por degrau". Lula afirmou que tornar melhores as condições de vida dos cidadãos com a ampliação da massa salarial, da coleta de esgoto e de casas prova que o Brasil "encontrou, definitivamente, seu caminho".

 

"Estamos melhorando a vida das pessoas. Agora, mais importante ainda é que a gente continue garantindo que as pessoas tenham, ano a ano, as conquistas. Depois que vier uma outra pessoa governar este país, se ela continuar fazendo com que haja avanço nas conquistas das pessoas, a gente pode concluir que, dentro de mais dez ou 15 anos, estaremos num patamar de desenvolvimento e de conquista social muito mais importante para o povo brasileiro", declarou.

 

Zoneamento - Ele afirmou também acreditar que o governo quer demonstrar que tem a capacidade de criar uma matriz energética menos poluidora para a Terra, ao falar sobre o projeto de zoneamento agroecológico da cana-de-açúcar, lançado na semana passada.

 

"Talvez, no mundo inteiro, ninguém nunca tenha feito o que fizemos aqui", afirmou. Segundo o presidente, o governo quer mostrar ao mundo que o etanol é uma energia renovável "extraordinária" e que pode permitir, por exemplo, a redução na emissão de gases de efeito estufa.

 

"O principal é que preservamos algumas áreas muito importantes", disse, ao referir-se à Amazônia, ao Pantanal e à Bacia do Alto Paraguai. Lula afirmou que países ricos reclamam dos efeitos provocados pelo aquecimento global, mas pouco fazem para resolver a questão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.