PMs em greve temem invasão de quartéis na BA

Os quartéis da Polícia Militar baiana, onde soldados completam cinco dias de greve, tiveram um inicio de semana tenso, com os rumores de que o comando da PM estaria planejando a invasão de três batalhões - 5º, 7º e 8º - onde centenas de policiais permanecem aquartelados. Para tanto, soldados dos municípios de Teixeira de Freitas, Itabuna e Barreiras teriam chegado, nesta manhã, a Salvador. Mas a notícia foi desmentida pela assessoria de comunicação da PM, que justificou a presença dos militares do interior para reforçar o policiamento na capital. Um cinegrafista da TV Bahia e um fotógrafo do jornal Correio da Bahia, órgãos controlados pela família do ex-senador Antonio Carlos Magalhães, foram agredidos por grevistas, que tomaram fitas e filmes dos profissionais. O fotógrafo Alberto Coutinho chegou a ser ameaçado com um revólver, por um soldado encapuzado do 8º batalhão. As duas agressões foram comunicadas ao comando da PM. que prometeu apurar e punir os responsáveis.O governador César Borges (PFL) convocou o clero e as Forças Armadas para discutir a greve da polícia. Ao general Barros Moreira, comandante do 6a Região Militar, com sede em Salvador, Borges disse que a situação estava sob controle, ouvindo em resposta que o Exército está disponível para assumir o policiamento das ruas da capital baiana ou ajudar a retirar os grevistas dos quartéis, como ocorreu em outros Estados, caso seja convocado pelo governo estadual. Com o cardeal-arcebispo de Salvador, Dom Geraldo Majella Agnelo, o governador discutiu os canais de negociação com os grevistas para a superação do impasse. Borges tem sido intransigente num ponto: só negocia a revisão das 68 exonerações de policiais militares caso a greve seja encerrada imediatamente. Conforme o governo, somente 37% do efetivo da PM está parado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.