PMDB vai apurar denúncia contra deputado André Luiz

O presidente nacional do PMDB, deputado Michel Temer (SP), determinou hoje que a Comissão Nacional de Ética do partido apure a denúncia da revista "Veja" de que o deputado André Luiz (PMDB-RJ) estaria envolvido em um suposto esquema de cobrança de propina para aliviar a situação do bicheiro Carlinhos Cachoeira na CPI da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) sobre a gestão de Waldomiro Diniz na Loteria do Rio de Janeiro. "Todas essas coisas precisam ser esclarecidas", disse o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL). "Não podemos antecipar nem a condenação nem a absolvição do deputado e sim apurar os fatos com precisão", afirmou o líder do PMDB na Câmara, deputado José Borba (PR), único integrante da direção do partido que André Luiz procurou para garantir que é inocente. O deputado Wilson Santiago (PMDB-PB), um dos nove integrantes da Comissão de Ética do PMDB, foi indicado para ser o relator do caso. Segundo o presidente Michel Temer, as investigações da comissão de sindicância da Câmara, criada ontem pelo presidente João Paulo Cunha (PT-SP), servirão de suporte para os trabalhos da comissão de ética do PMDB. A primeira reunião da comissão de sindicância está marcada para amanhã, às 11 horas. A comissão irá requisitar as fitas em que André Luiz teria tentado extorquir em R$ 4 milhões o bicheiro Carlinhos Cachoeira para livrá-lo da CPI. O deputado peemedebista terá o prazo de cinco sessões da Câmara para apresentar defesa por escrito ou oral aos integrantes da Comissão de Sindicância. André Luiz garantiu que nunca se encontrou com nenhum emissário do bicheiro nem com o próprio Carlinhos Cachoeira. Segundo a revista Veja, o deputado teria negociado com emissários do bicheiro uma propina de R$ 4 milhões para 40 deputados (R$ 100 mil para cada um) para que a CPI não pedisse o indiciamento de Cachoeira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.