PMDB terá mais espaço na campanha de Dilma, diz Temer

O vice-presidente da República, Michel Temer, disse nesta quarta-feira, 23, que o PMDB terá mais espaço na campanha presidencial de Dilma Rousseff e que sua participação neste ano será mais efetiva. "Todo espaço está sendo concedido ao PMDB. O PMDB vai ter sólida presença nos programas eleitorais", destacou Temer, que é presidente nacional da sigla.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

23 de julho de 2014 | 18h41

Ao chegar à presidência do partido nesta tarde, Temer afirmou que a aliança PT e PMDB se "solidificou" e que haverá nesta campanha um tratamento igualitário entre as legendas. "Nosso protagonismo será maior", emendou. No entanto, o vice-presidente disse que pretende manter uma agenda de campanha paralela à de Dilma. "É mais útil para a campanha", justificou.

O peemedebista contou que ainda não foi discutido como será o comportamento da presidente Dilma em Estados onde há palanque duplo ou mesmo quádruplo, como é o caso do Rio de Janeiro. O que já ficou predeterminado é que em Estados onde a sigla apoia outros candidatos, haverá a atuação dos peemedebistas simpáticos à candidatura de Dilma.

Neutralidade

O presidente da Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB), que é candidato ao governo do Rio Grande do Norte, chegou a sugerir que a petista adote um comportamento "neutro" e que todos os aliados sejam chamados para atos da campanha presidencial. "Vamos administrando de acordo com as circunstâncias", respondeu. O tema pode ser tratado na próxima terça-feira (29), quando haverá nova reunião da cúpula da campanha com os representantes dos partidos aliados.

Temer revelou que o PMDB paulista está organizando um evento em Jales, no interior do Estado, com aproximadamente 3 mil militantes. O encontro está previsto para o final de agosto e contará com a presença de Paulo Skaf, candidato da sigla ao governo de São Paulo. O vice-presidente disse que Skaf participará da campanha nacional e que manterá uma postura de respeito em relação à candidatura petista de Alexandre Padilha.

Na reunião desta terça-feira, 22, à noite, com os dirigentes de partidos da coligação, ficou decidido que haverá uma interlocução direta com a comunidade evangélica. Segundo Temer, esse trabalho será feito por "agente evangélicos" da coordenação da campanha. "É uma comunidade eleitoralmente muito vigorosa", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.