PMDB tenta salvar mandato de Jader

Na tentativa de salvar o mandato do presidente licenciado do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), o PMDB começou a articular a renúncia do senador paraense da presidência da Casa, para obter dos partidos de oposição e do PSDB e do PFL, em troca, a garantia de que as investigações envolvendo seu nome serão "abafadas" no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar. Com essa manobra, o PMDB pretende evitar que o pedido para abertura de processo por quebra de decoro contra Jader seja aprovado no conselho e, impedir, por conseqüência, a cassação de mandato do parlamentar. Apesar da disposição do comando do PMDB, o PSDB, PFL e oposição deram sinais de que não estão dispostos a negociar a saída de Jader da presidência da Casa "nesses termos". "Isso é absurdo", reagiu o líder do PFL no Senado, Hugo Napoleão (PI). Ele informou que o PFL poderá discutir, em reunião da executiva nacional do partido, a "polêmica" em torno da mudança de comando do Senado. Desde o dia 18 de julho, quando Jader pediu licença do cargo por 60 dias, o vice-presidente da Casa, Edison Lobão (PFL-MA), vem exercendo a função interinamente. Na sua avaliação, os líderes dos partidos no Senado poderão marcar uma reunião para discutir a situação. Segundo o senador Waldeck Ornélas (PFL-BA), que acompanhou o depoimento de Jader à comissão do conselho de Ética, não há mais "saída política" para o senador paraense e, por isso, ele deve deixar a presidência. "Isso é constrangedor e, portanto, os líderes precisam discutir o assunto", declarou Ornélas, referindo-se à disposição de Jader de voltar a comandar a instituição no próximo dia 17 de setembro. Jader reafirmou, após ser ouvido pela comissão, que não vê motivo para ficar longe da presidência. Ele garantiu que reassumirá o cargo de presidente em setembro. "Está provado que as denúncias não passam de mentiras covardes", reagiu o senador paraense. A principal missão do conselho é analisar as denúncias de que Jader está ligado ao esquema de desvios de recursos do Banco do Estado do Pará (Banpará).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.