PMDB tenta adiar escolha de líder na Câmara

A cúpula do PMDB idealizou uma manobra para protelar a escolha do líder do partido na Câmara. O pedido de adiamento da eleição foi feito nesta segunda-feira pelo presidente do Senado, Jader Barbalho (PA), à deputada Rita Camata (PMDB-ES), adversária do atual líder, Geddel Vieira Lima (BA). Desde o fim de semana, nomes importantes do partido tentam convencer os aliados de Rita a concordar com o adiamento da reunião da bancada, marcada para esta terça-feira. Em telefonemas aos deputados do partido, caciques peemedebistas, incluindo o ministro dos Transportes, Eliseu Padilha, e o ex-presidente da Casa, Michel Temer, apelam para que o PMDB não exponha suas divergências internas neste momento. "Ele (Jader) pediu para refletir se não seria possível que essa reunião, na qual será escolhido o líder, ocorresse mais para frente", admitiu Rita. Geddel garantiu, no entanto, que não pretende adiar a eleição. As negociações são mais um lance na disputa desencadeada entre os aliados do Palácio do Planalto pelas lideranças partidárias e escolha das principais comissões permanentes no Congresso. Para acalmar o governador do Ceará, Tasso Jereissati, o PSDB oferece a presidência da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) ao senador Lúcio Alcântara ou a Luiz Ponte. Já o PMDB quer eleger seu novo líder por consenso e, por isso, quer ceder a presidência da Comissão Mista de Orçamento ao senador Ney Suassuna (PB).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.