PMDB teme quebra-quebra na convenção

Certos de uma vitória fácil contra o governador de Minas Gerais, Itamar Franco, na convenção nacional do PMDB, a ala governista e os independentes que prometem eleger o deputado Michel Temer (SP) presidente da legenda confessam apenas um temor: a repetição do confronto interno e as cenas de pugilato entre os militantes que puseram abaixo o plenário da Câmara e a imagem do partido na convenção que rejeitou a candidatura própria de Itamar ao Planalto em 1998.Mas enquanto os governistas e independentes armavam um antídoto contra a violência na convenção, o presidente interino do partido, senador Maguito Vilela (GO), tentou ontem uma última manobra para antecipar, de janeiro do ano que vem para outubro, a escolha do nome do candidato do PMDB na corrida presidencial.Adversário de Temer na briga pela presidência, Maguito está requerendo a convocação do Conselho Político do partido às 15h da próxima quarta-feira para examinar a proposta de mudar o edital que convoca a convenção nacional do próximo domingo.O edital, aprovado na última quinta-feira pela Executiva Nacional do partido, fechou a pauta da convenção em dois itens: a candidatura própria ao Planalto em 2002 e a realização de prévias eleitorais para a escolha do candidato em 20 de janeiro, com o afastamento imediato do governo a partir de então.Candidato ao governo de Goiás com um discurso de oposição ao Planalto, em busca do apoio do PT goiano, Maguito quer antecipar a data das prévias para forçar o desembarque do PMDB do governo no mês que vem.Sem chances. O Conselho Político é composto em sua maioria por aliados do Planalto que gostariam de esticar ao máximo a escolha do candidato e o conseqüente ?desembarque ético? que o próprio Michel Temer tem defendido em sua campanha. A lista dos conselheiros inclui os ministros de Estado, os governadores peemedebistas, que dependem de verbas federais para concluir com êxito seus mandatos, ex-presidentes do partido e ex-presidentes da República, como Itamar, além dos 27 presidentes regionais.E, destes últimos, 18 já assinaram documento para destituir Maguito da presidência do partido, caso ele decida usar o cargo em proveito de sua candidatura contra Temer. Com a certeza de maioria folgada entre os 509 convencionais do PMDB, a cúpula governista preocupou-se apenas em armar a estratégia para evitar o quebra-quebra no Ginásio do Colégio Marista, alugado para sediar a convenção.Por precaução, apenas convencionais e parlamentares terão acesso ao interior do ginásio. Os militantes ruidosos do MR8 (Movimento Revolucionário 8 de abril), ligados ao ex-governador paulista Orestes Quércia, e os partidários de Maguito e do senador Iris Resende (PMDB-GO), que se enfrentaram aos tapas na convenção passada, agora estarão juntos, mas do lado de fora.?Nossa preocupação e nosso desejo é realizar uma convenção serena, com alto índice de democracia e civilidade?, diz o assessor especial do Planalto, Welington Moreira Franco (PMDB). Mesmo contando com a ação da polícia do governador do Distrito Federal, o aliado Joaquim Roriz (PMDB), os governistas temem o embate. ?Setores que acham que levam a vitória no grito sempre geram intranqüilidade?, confessa Moreira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.