PMDB se diz preocupado com o social

Os líderes do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), e na Câmara, Geddel Vieira Lima(BA), adotaram nesta terça-feira um discurso mais agressivo e de cobranças à equipe econômica do governo."É preciso acabar com estecomedimento da área econômica e dar mais contorno humano à política econômica", cobrou Calheiros, antes de deixar oCongresso rumo à Base Aérea, onde embarcaria para o Rio de Janeiro com o presidente Fernando Henrique Cardoso."O País éhabitado por cidadãos e não por gráficos e números", reclamou Vieira Lima. Os dois líderes entendem que a resposta positiva doPlano Real já oferece condições de flexibilizar a política econômica, possibilitando a retomada de investimentos que sãonecessários."As demandas precisam ser atendidas", ressaltou Vieira Lima. Apesar do tom político do discurso, voltadosobretudo para as eleições de 2002, os dois líderes contestaram a tese de que estariam tentando beneficiar os ministérioscomandados pelo PMDB."Nós temos preocupação com a governabilidade e não com essa governança oportunista", afirmou olíder do PMDB na Câmara, acrescentando que o partido não está em busca de recursos apenas para os ministérios que estãonas mãos do PMDB.No entanto, enfatizam a precariedade da malha rodoviária, que está sob a responsabilidade do ministro dosTransportes, Eliseu Padilha, do PMDB.Renan Calheiros disse ainda que o governo precisa tomar cuidado para não sacrificaroutros setores, a exemplo do que ocorreu com o setor energético."Não podemos deixar que se repita este quadro sombrio que aconteceu com a energia", advertiu o senador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.