PMDB recorre contra arquivamento de ação contra Virgílio

Despacho foi arquivado na última quarta-feira pelo presidente do Conselho de Ética

Carol Pires, Agência Estado

13 de agosto de 2009 | 12h13

O PMDB recorreu há pouco contra o arquivamento da representação que o partido apresentou ao Conselho de Ética contra o líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM). A representação foi arquivada ontem, pelo presidente do conselho, senador Paulo Duque (PMDB-RJ).

 

Veja também:

linkDuque decide hoje sobre Virgílio e diz não saber de 'acordão'

linkDuque diz que lançará livro com seus despachos

 

"Importa considerar que todas as imputações são muito graves e, uma vez confessadas pelo representado, a Representação necessita ser registrada", diz o recurso. O documento é assinado por cinco senadores: Almeida Lima (PMDB-ES), Wellington Salgado (PMDB-MG), Gilvam Borges (PMDB-AP), Gim Argelo (PTB-DF) e Inácio Arruda (PCdoB-CE).

 

Arthur Virgílio é acusado na representação do PMDB de manter em seu gabinete um funcionário fantasma, de pedir empréstimo a um ex-diretor do Senado para pagar despesas pessoais e de ter usado indevidamente o plano de saúde do Senado para tratamento da mãe (já falecida).

 

No despacho que pede arquivamento da representação contra o tucano, Paulo Duque diz: "Não pode este conselho ser instrumento de ação político-partidária nem substituir o eleitor em sua decisão soberana como titular do poder". Esse foi o mesmo argumento que Duque utilizou para arquivar 11 ações apresentadas ao Conselho contra o presidente do Senado, José Sarney.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.