PMDB quer manter Bezerra no partido

A cúpula do PMDB vai empenhar-se para manter o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, no partido. E os peemedebistas pretendem deixar claro o apreço que têm pelo ministro na próxima terça-feira, ao saírem em sua defesa durante o depoimento à Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Bezerra irá à Comissão falar sobre a extinção das superintendências de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam) e do Nordeste (Sudene), envolvidas em escândalos de desvio de recursos públicos."Ninguém vai deixar o Bezerra na mão até porque ele não está brigando com o partido e sim tendo desavenças com o PMDB do Rio Grande do Norte", observou um integrante da executiva do PMDB. "Não tem sentido nenhum jogar o ministro às traças", afirmou outro peemedebista.Bezerra estuda sair do PMDB para candidatar-se ao governo do Rio do Grande do Norte, nas eleições de 2002. O PMDB local está apoiando a candidatura do deputado Henrique Eduardo Alves ao governo do Estado, deixando Bezerra de fora da disputa.Insatisfeito com essa situação, o ministro vem mantendo conversas com o PTB, aliado do PFL no Rio Grande do Norte, para sair candidato ao governo. Por isso, uma parcela do PMDB vem defendendo a saída imediata do ministro da legenda e que o partido o deixe sozinho durante seu depoimento no Senado, marcado para terça-feira. Mas a grande maioria dos dirigentes nacionais do PMDB pretende esforçar-se para que Bezerra fique no partido e pretende sair em sua defesa. Na avaliação de caciques peemedebistas, Bezerra tem mais chances de vencer a disputa no Estado que Henrique Eduardo Alves. O ministro está disparado em primeiro lugar nas pesquisas de opinião, enquanto Henrique amarga uma quarta posição. Além disso, argumentam integrantes do PMDB, Henrique Alves não foi bem sucedido em ocasiões anteriores quando concorreu a cargos executivos, como à prefeitura de Natal.O PMDB também está interessado na permanência de Bezerra no partido porque, dessa forma, fica assegurada a manutenção do Ministério da Integração Nacional nas mãos dos peemedebistas. O motivo é que o presidente Fernando Henrique Cardoso cogita manter Bezerra no cargo, mesmo que ele venha a ingressar no PTB. Fernando Henrique estaria disposto a tomar essa atitude como uma maneira de evitar que o PTB transforme-se em aliado de Ciro Gomes (PPS), pré-candidato à Presidência da República.Caso não consiga chegar a um entendimento com o PMDB do Rio Grande do Norte, Bezerra deverá permanecer no partido até 30 de setembro, prazo fatal para que possa disputar, em 2002, o governo do Estado por outra legenda. Seria mais fácil, então, Fernando Henrique manter Bezerra no Ministério da Integração Nacional. É que o presidente pretende que todos os ministros candidatos nas eleições do ano que vem deixem seus cargos em dezembro. E se Bezerra sair do PMDB apenas no fim de setembro Fernando Henrique terá que mantê-lo como ministro por apenas três meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.