PMDB prepara programa para servir de contraponto às propostas do PT

Partido realizou encontro nesta quinta-feira, em Brasília, com a presença de seus principais nomes

DENISE MADUEÑO, da Agência Estado

18 de março de 2010 | 13h52

O PMDB pretende elaborar um programa de governo para a disputa da presidência da República, em aliança com o PT, que sirva de contraponto ao que considera "radicalismo" das propostas petistas. Na reunião dos responsáveis pela preparação do programa, as palavras de ordem foram "equilíbrio e moderação". Estiveram reunidos nesta quinta-feira, 18, os ministros peemedebistas Henrique Meirelles, presidente do Banco Central, e Nelson Jobim, da Defesa, o presidente do PMDB, deputado Michel Temer (SP), o líder do partido na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), e o ex-ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Roberto Mangabeira Unger. O ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, também participou do encontro.

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifMeirelles participa de reunião do PMDB para discutir programa de governo

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifTemer: PMDB terá programa de governo até 8 de maio

 

A ideia é elaborar um texto sintético, objetivo, com diretrizes claras e que traga o programa do PT, mais radical, para uma posição de centro. Até o dia 12 do próximo mês, o grupo vai apresentar as propostas que serão sistematizadas em um texto básico a ser enviado aos diretórios regionais, para a apresentação de sugestões. O texto final da proposta será fechado no dia 4 de maio e será submetido à aprovação do congresso do partido no dia 8 de maio.

 

No Congresso que aclamou a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, candidata petista, no mês passado, o PT aprovou as diretrizes do programa com um viés à esquerda. É isso que o PMDB pretende anular apresentando um programa mais à direita para que o resultado final seja o que os peemedebistas estão chamando de "moderado".

 

O programa do PT prega, por exemplo, a ampliação do papel do Estado na economia, o combate ao monopólio dos meios de comunicação, a cobrança de impostos sobre grandes fortunas, uma jornada de trabalho de 40 horas semanais sem redução de salário, apoio ao polêmico Plano Nacional de Direitos Humanos e a atualização dos índices de produtividade para efeito de reforma agrária.

Mais conteúdo sobre:
PMDBPTMichel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.