PMDB pode apoiar Chinaglia à presidência da Câmara

Apontada como fiel da balança na sucessão da Câmara, a bancada federal do PMDB reúne-se nesta terça-feira em Brasília para tomar posição na disputa. Os principais dirigentes do partido avaliam que a maioria dos peemedebistas, incluindo os 32 novatos, apóia a candidatura do líder do governo, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP). Admitem, no entanto, que a reeleição do atual presidente Aldo Rebelo (PC do B-SP) ganhou novo impulso nos últimos dias, com a declaração de apoio de governadores do partido. Segundo o líder do PMDB na Câmara, deputado Wilson Santiago (PB), 84 dos 90 deputados do partido eleitos em outubro já confirmaram presença na reunião. Santiago afirmou que começará o encontro querendo saber dos deputados se eles fecharão ou não questão em torno da decisão que for tomada pela maioria. Vencida a preliminar, a idéia é retomar a discussão do ponto em que parou - a candidatura própria à presidência da Câmara. Só depois da eventual rejeição da candidatura própria - hipótese provável em função da ausência de um nome forte no PMDB - os peemedebistas tomarão uma decisão entre a reeleição do atual presidente, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) ou a candidatura de Chinaglia. Para o deputado Geddel Vieira Lima (BA), os peemedebistas devem apoiar a candidatura de Chinaglia. "O PMDB não detém força hegemônica para comandar a Câmara e o Senado, e fica claro que a prioridade do partido passa a ser a reeleição de Renan Calheiros (no Senado)." O deputado explicou que, como o PMDB precisa dos 13 votos do PT no Senado para reeleger Renan, vai defender o apoio a Chinaglia na Câmara, vinculado ao compromisso com um rodízio pelo qual que o PT apoiará o PMDB na presidência da Câmara daqui a dois anos. "Por isso, vou defender o apoio a Chinaglia", concluiu Geddel. Terceira via O grupo de parlamentares que aposta em um terceiro nome na disputa pela Câmara, num contraponto a Aldo e Chinaglia, sinalizou que vai insistir no apoio da maior bancada da Casa, o PMDB. Eles decidiram marcar um novo encontro após a reunião dos peemedebistas nesta terça. Alguns deputados do grupo, como José Aníbal (PSDB-SP), Raul Jungmann (PPS-PE) e Luiza Erundina (PSB-SP), disseram que irão conversar com o presidente nacional do PMDB, Michel Temer (SP), para dizer que o grupo pode apoiar uma candidatura peemedebista. Segundo a Reuters, um dos nomes considerados pelos parlamentares é o de Osmar Serraglio (PR). Mas Temer não parece muito disposto a apoiar a idéia. Nesta segunda-feira, ele defendeu uma candidatura única da base aliada, que deverá ser decidida entre os dois nomes que aparecem na disputa: Aldo ou Chinaglia. O presidente nacional do PMDB quer evitar o lançamento de um terceiro nome, mesmo que seja também da base aliada. O grupo é formado por parlamentares do PPS, PV, PSB, PSOL, PSDB, PMDB e PT. E a reunião desta segunda-feira contou com a presença de 12 deputados. Com Reuters

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.