Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

PMDB oficializa candidatura de Renan Calheiros para presidente do Senado

Atual presidente teve 15 votos contra 4 do senador Luiz Henrique (SC), que também lançou sua candidatura nesta sexta-feira

FÁBIO BRANDT E ISADORA PERON, Estadão Conteúdo

30 de janeiro de 2015 | 20h45

Brasília - O PMDB oficializou nesta sexta-feira, 30, o nome do presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), como candidato oficial da legenda na eleição deste domingo que elegerá a nova Mesa Diretora da Casa. Renan teve 15 votos contra 4 do senador Luiz Henrique (SC), que também lançou sua candidatura nesta sexta-feira, 30. A bancada tem 19 senadores.

Agora, com sua candidatura oficializada, ele afirmou que terá mais liberdade para pedir apoio dos outros partidos. O PT está dividido. Apesar da pressão feita pelo Palácio do Planalto para que os petistas votem em Renan, a bancada da sigla ainda não fechou posição - alguns petistas, nos bastidores, admitem ter simpatia pela candidatura de Luiz Henrique.

O catarinense tem só quatro dos 19 votos do próprio partido - o dele mesmo, de Ricardo Ferraço (ES), de Waldemir Moka (MS) e de Dario Berger (SC). Apesar do pouco apoio interno, Luiz Henrique anunciou ter o voto das bancadas do PSDB, DEM, PSB, PDT, PP, PSOL e PPS, que juntos somam 35 senadores.

Seus aliados admitem, porém, que o peemedebista não terá os votos de todos os senadores dessas legendas. "Se não pela unanimidade, estamos aqui pela maioria expressiva desses partidos", disse o líder do DEM, senador José Agripino Maia (RN).

Essa é a segunda vez que o PMDB terá dois candidatos a presidente do Senado. A primeira foi em 1987, quando Humberto Lucena - tio do atual senador Cícero Lucena (PSDB-PB) - disputou o cargo contra Nelson Carneiro. Lucena venceu por 67 votos a 1 voto.

Planalto. Durante o lançamento de sua candidatura, nesta sexta no Senado, Luiz Henrique fez um gesto ao PT dizendo que manteria a prerrogativa dos petistas, donos da segunda maior bancada, de indicar o primeiro vice-presidente da Casa. Disse também que, se eleito, sua primeira ação será pedir uma reunião com a presidente Dilma Rousseff para dizer que não será "subserviente" nem "antagônico" ao governo.

Calheiros não quis comentar o apoio dado pelo Planalto a sua candidatura. O líder do PMDB, Eunício Oliveira (CE), também desconversou. "Não conheço a posição do Planalto. Eu conheço a posição do meu partido", disse o cearense. Apesar disso, ele relatou que a ministra da Agricultura, senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), também esteve na reunião e votou a favor da candidatura de Renan.

Tudo o que sabemos sobre:
Renan CalheirosPMDBSenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.