PMDB não vai sair da base do governo, garante Dirceu

O PMDB não vai deixar a base governista, garantiu o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, após participar de evento em São Paulo. No dia 12, o PMDB fará uma convenção nacional, em Brasília, para definir se deve permanecer como aliado do governo.Dizendo basear-se em "declarações de senadores e deputados, e também da imensa maioria do próprio PMDB" para chegar à sua avaliação, o ministro disse que eventuais desavenças entre o partido e o governo serão resolvidas "em médio prazo". "É muito importante a participação do PMDB no governo de coalizão, como disse o ministro Aldo Rebelo (Coordenação Política) e o senador Aloizio Mercadante (PT-SP). Não é verdade que eu tenha discordância sobre isso", afirmou o ministro, que esteve no Clube Monte Líbano para um encontro promovido pela Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil (ADVB)."Estou feliz no governo e não volto para a Câmara. Quero ficar onde estou". A manifestação foi feita por Dirceu ao comentar sua eventual saída do governo por conta da reforma ministerial a ser promovida pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele negou ter qualquer interesse em retornar à Câmara de Deputados para tentar presidir a Casa ou cuidar da articulação política do governo.Segundo o ministro, as discussões sobre reforma ministerial são atribuições do ministro da Coordenação Política, Aldo Rebelo, e dos líderes governistas na Câmara e no Senado. "Sobre os nomes que estão saindo na imprensa, são de responsabilidade de quem transmite esses nomes para a imprensa.O presidente não discutiu, comigo pelo menos, esse tipo de especulação, legítima, que tem sido feita na mídia", afirmou, ao ser indagado sobre a possibilidade de nomes como a ex-governadora do Maranhão e hoje senadora pelo Estado, Roseana Sarney (PFL), e do ex-governador de São Paulo e deputado pelo PTB, Luiz Antônio Fleury Filho, integrarem o novo ministério.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.