PMDB não vai indicar vice para PT nem para PSDB, diz Renan

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse que o partido trabalha com um único cenário, que é o de candidatura própria, com realização das prévias entre os pré-candidatos do partido a presidente, o ex-secretário de Governo e Coordenação do Estado do Rio Anthony Garotinho e o governador do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto. "Falam que o PMDB vai indicar um vice. Isso não existe, nem em relação à indicação de vice do PT nem do PSDB", afirmou, logo após a posse da nova diretoria da Câmara de Comércio Americana (Amcham) do Rio. "O PMDB sempre sonhou com uma candidatura própria, competitiva, capaz de unir as correntes do partido e de transformar essa força regional que o partido tem - de 15 ou 16 candidatos capazes de ganhar a eleição para governador - em força nacional. É o sonho dourado do partido", disse. Renan afirmou não ter se decidido por Rigotto ou Garotinho. "Vamos apoiar o que o partido decidir." Ele afirmou que o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Nelson Jobim, e o governador do Distrito Federal, Joaquim Roriz (PMDB), gostariam de participar das prévias, mas que ficaram impossibilitados por causa da data marcada, 19 de março. De acordo com Renan, porém, as prévias estão confirmadas. "A não ser que haja, do ponto de vista dos dois participantes (Rigotto e Garotinho) algum senão para rediscutir data, mas, por enquanto, isso não está posto", afirmou. O presidente do Congresso disse ainda que acha que o câmbio está artificialmente valorizado. A governadora do Rio, Rosinha Garotinho (PMDB), e o marido dela, o ex-secretário de Governo e Coordenação do Estado, não compareceram ao evento. Segundo a Amcham, por causa da morte de alguém "querido" em Campos dos Goytacazes, no norte fluminense.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.