PMDB não tem operador, afirma Henrique Alves

O presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), sustentou nesta quarta-feira a posição de seu partido de que o lobista Fernando Antônio Falcão Soares não atua em nome da legenda. Conhecido como Fernando Baiano, o lobista foi citado nas investigações conduzidas pela Polícia Federal como suposto operador do PMDB no esquema de corrupção envolvendo a Petrobras e empreiteiras. "O PMDB não tem operador, não tem ninguém que realize esse tipo de trabalho menor em qualquer esfera do poder público", afirmou.

NIVALDO SOUZA E RICADO DELLA COLETTA, Estadão Conteúdo

19 de novembro de 2014 | 20h46

Henrique Alves recusou a acusação, alegando que não há nenhuma formalização da Polícia Federal ligando Baiano ao PMDB. "Ele é apontado por quem? A PF deu uma declaração informando que não tinha como afirmar a declaração dele com o PMDB. Eu vi essa declaração pelas televisões. Isto aí vai se confirmar e se verificar, o que não tem, pelas declarações dele (Baiano) no seu depoimento", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
Lava JatoPetrobrasPMDBoperadorAlves

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.