PMDB governista se prepara para enfrentar Itamar

A cúpula do PMDB, liderada pelo presidente do Senado, Jader Barbalho (PA), já está preparando um "plano B" para a eventualidade de ter que enfrentar, internamente, a candidatura oposicionista do governador de Minas, Itamar Franco, ao Palácio do Planalto. Ao mesmo tempo em que defendem o atrelamento ao governo federal, alguns cardeais peemedebistas trabalham para aproximar o partido do PPS do presidenciável Ciro Gomes, apontado pelo próprio Planalto como inimigo público do presidente Fernando Henrique Cardoso."As convenções do PMDB em todo o País marcharam no rumo da candidatura própria ao Planalto em 2002", resume o tesoureiro do PMDB, deputado Eunício Guimarães (CE). "Eu não vejo nenhuma alteração substancial nas direções do PMDB nos Estados, mas não tenho dúvida de que o PMDB é o único partido da base aliada que tem a possibilidade de ser pendular", define Jader Barbalho, que mantém o comando da legenda no Pará. Ele avalia que nem o PSDB de Fernando Henrique, nem o PFL têm como participar da corrida presidencial no campo da oposição. "O único partido que pode se dar ao luxo de ser viável dentro da base (em uma composição) ou fora dela é o PMDB", sentencia.Na disputa pelos diretórios estaduais, realizada no último fim de semana, a ala governista perdeu os dois maiores colégios eleitorais. Minas continuou nas mãos de Itamar e o candidato do grupo à presidência do partido nas eleições de setembro, deputado Michel Temer (SP), também saiu derrotado para Orestes Quércia em São Paulo. "Por enquanto o que há é conversa fiada, uma aproximação muito tênue, nada que seja conseqüente para 2002", desconversa Jader. Entusiasta da candidatura do senador Pedro Simon (PMDB-RS), o presidente do Senado salienta que a vitória de Itamar em Minas, reforçada pelo Paraná do senador Roberto Requião (PMDB-PR) e por Quércia, não modificaram o quadro de forças interno do PMDB. Mesmo sem ter em mãos a contabilidade nacional das convenções, ele está convencido de que seu grupo continua com a maioria dos votos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.