PMDB fluminense decide apoiar criação de CPI

A bancada federal do PMDB fluminense, que reúne 13 deputados e o senador Sérgio Cabral Filho, decidiu assinar em bloco os requerimentos que propõem a criação da CPI do caso Waldomiro Diniz, no Senado e na Câmara. Com isso, aumenta o risco de uma CPI no Senado, onde o senador tucano, Antero Paes de Barros, autor do requerimento, contabilizava ontem 22 assinaturas.A decisão da bancada fluminense foi tomada em reunião que terminou no início da madrugada de hoje, com a participação do secretário de Segurança do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho. Segundo um dos participantes da reunião, Garotinho chegou com uma posição conciliadora e ponderou se não seria o caso de o senador Sérgio Cabral aguardar um pouco mais antes de assinar o requerimento de instalação da CPI.A posição da bancada será anunciada hoje à tarde, no plenário da Câmara. Segundo o deputado Leonardo Piciani (PMDB-RJ), o presidente do PMDB fluminense, deputado Wellington Moreira Franco, ficou encarregado de ler uma nota assinada por toda a bancada, no início na sessão plenária da Câmara. A nota é sintética e afirma apenas que a bancada federal decidiu, "em consonância com o desejo da opinião pública", apoiar a investigação dos fatos envolvendo o ex-secretário de Assuntos Parlamentares do Planalto, Waldomiro Diniz."Não se trata de nenhuma pressão sobre o governo federal, nem descontentamento. O problema é que vínhamos sendo cobrados pelos companheiros e militantes do Rio e não tínhamos como explicar por que apoiamos uma CPI no Estado e nos recusávamos a apoiar uma CPI aqui", disse Piciani.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.