PMDB fica com Comunicações e Previdência

Depois de se reunir por uma hora com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente do PMDB, Michel Temer (SP) anunciou oficialmente que o partido ocupará dois ministérios. O das Comunicações será comandado pelo deputado Eunício Oliveira(CE), líder do partido na Câmara, e o da Previdência Social, que será ocupado por um senador do PMDB que, segundo Temer, será escolhido na reunião da bancada peemedebista. Temer disse que o presidente acatará a indicação do partido para o ministério da Previdência. "Seguramente, foi isso que foi registrado", disse Temer, ao ser perguntado se o PMDB teria de apresentar uma lista para que Lula escolhesse um nome. "Um reforço ao governo, o PMDB é um grande partido pode ajudar muitíssimo", afirmou sobre o ingresso do partido no governo. Segundo Temer, o anúncio do nome do novo ministro da Previdência será feito por Lula. Muito empurra-empurra e desorganização marcaram a saída da cúpula do PMDB da reunião com o presidente Lula da Silva, no Palácio do Planalto. Temer, o líder do partido no Senado, Renan Calheiros, e o atual líder do PMDB na Câmara e futuro ministro das Comunicações, deputado Eunício Oliveira (CE), ao deixar a reunião, desceram pelo elevador de autoridades e se depararam, no andar térreo do Palácio, com uma multidão de jornalistas, cinegrafistas e fotógrafos. A confusão foi tamanha que Temer, escolhido para divulgar as decisões da reunião com o presidente, ficou vários minutos sem conseguir dar início à entrevista.Ele chegou a ameaçar ir embora sem fazer o anúncio no qual divulgou o ingresso do partido no governo, com os Ministérios das Comunicações e da Previdência. Temer e os dois líderes ficaram bom tempo pela área de entrada do Palácio, cercados de jornalistas, sem conseguir deixar o prédio. Do Planalto, os dirigentes foram diretamente para o Congresso, onde a bancada do partido no Senado escolherá o senador a ser indicado para ocupar o Ministério da Previdência. Temer previu que a escolha sairá dentro de uma hora ou hora e meia, quando o PMDB informará o nome ao governo. Ele preferiu, no entanto, não falar em nomes cotados para o cargo. Disse, também que, pelo que viu, a reforma ministerial "ultrapassou os limites do PMDB". Também considerou útil a separação de funções da Casa Civil entre o ministro José Dirceu e o atual líder do governo na Câmara, deputado Aldo Rebelo (PCdoB), que assumirá a Secretaria de Articulação Política. Veja quadro com o que muda no Ministério

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.