DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

PMDB exibe vídeo sem fala de Temer pela primeira vez em dez anos

Segundo publicitário que dirigiu o programa do partido, que será transmitido na noite desta quinta-feira, 30, ausência de pronunciamento do presidente foi um pedido do próprio peemedebista

Sonia Racy e Valmar Hupsel Filho, O Estado de S.Paulo

30 Março 2017 | 05h00

O programa que o PMDB exibirá em rede nacional na noite desta quinta-feira, 30, será o primeiro, em dez anos, que não terá uma fala de Michel Temer. A exaltação ao presidente e suas bandeiras nestes sete meses de seu governo, no entanto, serão a linha condutora dos 10 minutos do vídeo. A peça publicitária é o segundo do mesmo formato exibido este ano e repete o primeiro quando mantém o lema “um presidente certo na hora certa” e a intenção de imprimir nele a imagem de reformista.

“Se fosse para resumir o programa em uma palavra, seria 'esperança'”, disse o publiciário Elsinho Mouco, que dirigiu o programa. Segundo ele, a ausência de uma fala do presidente foi um pedido do próprio Temer. “Ele não fala mas está absolutamente presente”, pondera.

Temer é apresentado como o responsável por melhorar a relação do Planalto com o Congresso, o que teria resultado na aprovação de “medidas urgentes” para o País, como o condutor das reformas e responsável pelos primeiros sinais de recuperação da economia. Por duas vezes, o lema “um presidente certo na hora certa” é citado.

“O País está saindo da recessão, a inflação está dentro da meta, os juros caíram. Com essa queda de juros o crédito vai aumentar”, afirma a prefeita de Boa Vista (RO), Tereza Surita, a primeira política a aparecer na peça. O programa também cita medidas de apelo popular, como a liberação das contas inativas do FGTS, e anuncia a liberação de recursos para a construção de 600 mil novas casas pelo programa Minha Casa Minha Vida.

O vídeo, que será exibido na véspera de protestos organizados por entidades de representantes de movimentos sociais e ligadas à defesa dos trabalhadores, defende a necessidade das reformas propostas pelo governo, principalmente as previdenciária, tributária e trabalhista.

Nenhum dos 11 políticos que aparecem no programa, no entanto, faz uma defesa direta dessas reformas. O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), por exemplo, diz genericamente que "reformar" a palavra de ordem no Congresso em 2017. “Reformar. Essa é a palavra de ordem no Congresso nacional em 2017: um ano em que precisamos da cooperação de todos para colocar o Brasil no caminho do crescimento e da geração de empregos”, diz.

Cabe à apresentadora falar diretamente sobre o assunto. “A reforma da Previdência é, sem dúvida, a de maior importância pois os estudos preveem um colapso no sistema se nada for feito agora. É um assunto de extrema urgência que diz respeito a todos”, afirma.

“Mas existem outras reformas para estimular ainda mais a economia, como a reforma trabalhista e a reforma tributária. Ambas vêm para criar relações mais justas, tanto para empregadores como para empregados e assim abrir milhares de frentes de trabalho”, completa.

Somente a senadora Marta Suplicy (PMDB-SP) defende uma reforma específica, que deu menos dor de cabeça ao governo: a do Ensino Médio. “Outro assunto que há mais de 20 anos vem sendo deixado de lado é a reforma do Ensino Médio, que o presidente Temer corajosamente abraçou e sancionou”, diz.

Mulheres. Como forma de reforçar a imagem positiva do presidente, criticado logo após tomar posse por nomear um primeiro escalão 100% formado por homens, sete mulheres aparecem no programa.

No vídeo, o telespectador é lembrado que Temer criou a primeira delegacia especializada no atendimento às mulheres, antes mesmo da aprovação da Lei Maria da Penha.

“Essa sua determinação se mantém, pois ele coloca entre suas prioridades a valorização da mulher, o empoderamento feminino”, afirma a secretária nacional de Políticas para as Mulheres, Fátima Palaes.

O programa encerra com imagens do presidente e a voz de um locutor, que diz o seguinte texto: “Estamos despertando novamente a alegria, o prazer e o orgulho de ser brasileiro. Estamos cuidando para que, daqui a algum tempo, o Brasil seja o melhor Brasil de todos os tempos. E estamos só começando”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.