PMDB escolhe Leonardo Quintão para disputar prefeitura de BH

Deputado derrota Sávio Souza Cruz, que havia acusado Aécio e Pimentel de interferirem na disputa do partido

Eduardo Kattah, de O Estado de S. Paulo,

15 de junho de 2008 | 18h18

O deputado federal Leonardo Quintão foi escolhido neste domingo, 15, como candidato do PMDB à disputa pela prefeitura de Belo Horizonte. Quintão derrotou na convenção municipal do partido o deputado estadual Sávio Souza Cruz, que acusou o governador Aécio Neves (PSDB) e o prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT), de interferirem nos bastidores da disputa interna peemedebista em favor do deputado federal.  Veja também:Calendário eleitoral das eleições deste ano   Ao todo, 59 convencionais participaram da convenção, perfazendo um total de 94 votos em razão do acúmulo de funções partidárias de alguns membros. Quintão recebeu 54 votos, contra 19 do deputado estadual. Foram 19 votos nulos e dois em branco. O candidato escolhido prometeu uma campanha "convergente" e propositiva, sem "ataques pessoais." "Irei fazer uma campanha de muito respeito ao governador, ao presidente Lula e ao próprio prefeito Pimentel", afirmou.  Sávio era considerado um candidato mais hostil ao Palácio da Liberdade e, conseqüentemente, à aliança costurada pelo governador e pelo prefeito em torno da candidatura do ex-secretário estadual de Desenvolvimento Econômico Marcio de Lacerda (PSB), tendo como vice o deputado estadual Roberto Carvalho (PT).  "A minha candidatura representava um sentimento coletivo da bancada estadual em resposta à engenharia antidemocrática montada na capital entre o prefeito e o governador", disse o deputado estadual. "Passaram o rolo compressor".  O deputado estadual costuma ser um contundente crítico do governo Aécio, se alinhando à minoritária bancada oposicionista do bloco PT/PC do B na Assembléia. Ele, por exemplo, é autor de um requerimento apresentado à Assembléia mineira solicitando que o governador de São Paulo, José Serra - que a princípio disputa com Aécio a indicação como presidenciável tucano -, o título de cidadão honorário do Estado. Segundo Sávio, o requerimento já foi aprovado pelo Legislativo e não publicado pelo Executivo.  Adiamento  Prevista para sábado, a reunião do Diretório Municipal do PT para avaliar a política de alianças na capital e a resolução do Diretório Nacional - que recomendou a exclusão do PSDB e do PPS na coligação em torno da candidatura de Lacerda (PSB) - foi adiada. Os petistas favoráveis à aliança com os tucanos pretendem ganhar tempo para tentar viabilizar o acordo. A hipótese mais aceita para a consolidação da aliança é a participação informal do PSDB.  Legendas que estão de fora da coligação esperam pela definição para lançarem seus candidatos. Parte do próprio PMDB defende o apoio a Lacerda na hipótese de o PT ficar de fora da aliança, lançando candidato próprio ou aderindo à pré-candidatura de Jô Moraes (PC do B). Por enquanto, os peemedebistas esperam para negociar acordos com partidos que se sentiram alijados da aliança.  O primeiro candidato oficial a prefeito de Belo Horizonte foi escolhido no sábado, 14: o deputado estadual Eros Biondini, do nanico PHS.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.