FABIO MOTTA/ESTADÃO
FABIO MOTTA/ESTADÃO

Planalto vai retirar cargos de cerca de 40 deputados que votaram contra Temer na Câmara

Objetivo é agradar o Centrão, que vem ameaçando mesmo votar contra o governo nas reformas econômicas e até em votar a favor de uma eventual nova denúncia contra o presidente

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

17 Agosto 2017 | 18h54

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer deve começar a punir nas próximas semanas cerca de 40 deputados da base aliada que votaram a favor da denúncia apresentada contra ele na Câmara.

Os líderes do governo no Congresso, deputados André Moura (PSC-SE) e Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), apresentaram ao Palácio do Planalto uma lista dos “infiéis” e esperam agora que eles percam os cargos que possuem no governo. Como cada parlamentar costuma ter mais de uma indicação, o número de trocas pode chegar a mais de 80 cargos.

O objetivo com as mudanças na administração federal é contemplar o chamado “centrão”, grupo formado por partidos como o PP, PR e PSD, que somam cerca de 150 deputados. Os parlamentares desses partidos votaram majoritariamente a favor de Temer, ao contrário de outras legendas da base, como o PSDB, que rachou.

A denúncia apresentada contra Temer foi votada no último dia 2 de agosto na Câmara. Desde então, o centrão vem cobrando que os deputados que infiéis sejam punidos e ameaçando votar contra o governo nas reformas econômicas e até mesmo em não barrar uma eventual segunda denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) enviada contra o peemedebista. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.