PMDB decide que não lançará candidato próprio na Câmara

A reunião que teve início às 16h30 e ainda não terminou, na qual participam 77 dos 90 deputados federais do PMDB, para definir uma posição na eleição do presidente da Câmara já produziu um resultado: o PMDB não lançará candidato próprio. O único peemedebista que havia se apresentado para concorrer com os dois candidatos em disputa - Arlindo Chinaglia (PT) e Aldo Rebelo (PC do B) - era o do deputado Edinho Bez (SC), mas ele retirou seu nome ao constatar que não havia apoio. Por aclamação, o plenário peemedebista decidiu que a minoria acompanhará a decisão que a maioria vier a tomar. Foi uma preliminar sugerida pelo líder do PMDB na Câmara, deputado Wilson Santiago (PB), na tentativa de evitar dissidências. Também já está decidido o modelo de cédula que os deputados peemedebistas utilizarão ainda nesta terça, para tomar a decisão do dia. Ficou acertado que a cédula contendo os nomes de Chinaglia e Aldo terá não apenas dois quadrinhos, mas três: - Um para a proposta do PT, que é a de fazer parceria em que o PMDB apoiaria Chinaglia agora e ganharia apoio do PT para escolher o presidente da Câmara daqui a dois anos; - O segundo quadrinho é para a proposta do PC do B, apresentada na segunda-feira em carta ao presidente do PMDB, deputado Michel Temer, e assinada também pelo presidente do PSB, Roberto Amaral, que pede apoio a Aldo e reconhece o direito do PMDB de presidir a Casa daqui a dois anos; - O terceiro contém a proposta do grupo independente de lançamento de um candidato da chamada terceira via, que poderia ser escolhido pelo PMDB. Um peemedebista pró-Aldo que pede o adiamento da decisão do PMDB admitiu que a tese do adiamento está descartada e previu a vitória de Chinaglia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.