PMDB decide 'parar' criação da CPI de fundos de pensão

Líder do partido na Câmara diz que não serão recolhidas mais assinaturas para a sua criação, por enquanto

DENISE MADUEÑO, Agencia Estado

04 de março de 2009 | 16h22

O PMDB decidiu "parar" a proposta de criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os fundos de pensão. O líder do partido na Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (RN), disse que a intenção do partido, ao propor a CPI, era esclarecer ao governo e à sociedade de que o PMDB não queria manipular politicamente o fundo de pensão de Furnas, o Real Grandeza. "Se o governo já se convenceu de que não queremos manipular o fundo, já nos basta esse convencimento. Se for preciso, vamos esclarecer na CPI", disse Alves.Ele se negou a dizer que o partido estava desistindo da CPI, mas afirmou que não serão recolhidas mais assinaturas no requerimento para a sua criação, pelo menos, por enquanto. "Vamos esperar", disse. Dessa forma, o pedido de criação da CPI ficará "congelado", mas poderá ser usado se for a decisão do PMDB. Desde ontem, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) estava recolhendo assinaturas no pedido de CPI. Os partidos de oposição, PSDB, DEM e PPS já haviam manifestado apoio ao pedido.

Tudo o que sabemos sobre:
fundos de pensãoCPIPMDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.