PMDB decide manter Forte no comando da Funasa

Ministro do PMDB alojado na pasta da Saúde, José Gomes Temporão, saiu derrotado do confronto com a máquina do partido. Depois de atacar a "corrupção" na Fundação Nacional de Saúde (Funasa), ele terá de tolerar Danilo Forte na presidência do órgão. No entanto, obteve um prêmio de consolação: a cúpula aceitou a divisão da Funasa, desidratada em suas funções com a transferência da saúde indígena para o ministério.Foi isso que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva comunicou ao partido e ao ministro, recebido ontem em audiência no Palácio do Planalto. O acordo chancelado por Lula vai incluir troca de comando na secretaria-executiva da Funasa, por consenso entre Forte e Temporão.Os peemedebistas acabaram contabilizando como ganho político a proposta de "modernização" da fundação, que passará a atuar na área de vigilância ambiental. Como índio não vota, o partido avalia que tem mais a ganhar com projetos ambientais em pequenas comunidades, que podem render dividendos nas urnas.Acuado pela cúpula peemedebista da Câmara, que ameaçou lhe retirar o apoio depois das críticas à "corrupção" e à "baixa qualidade" dos serviços da Funasa, Temporão quis dar o troco. Advertiu que não admitia ser desautorizado por um auxiliar nem insubordinação. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.