PMDB decepciona-se com Brindeiro

A atuação do procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, decepciona o PMDB. Setores do partido que trabalham para apressar a renúncia do presidente licenciado do Congresso, senador Jader Barbalho (PMDB-PA), do comando do Legislativo, contavam com a apresentação de uma denúncia contra o parlamentar ao Supremo Tribunal Federal (STF). Em vez disso, porém, Brindeiro pediu à Justiça apenas a abertura de mais um inquérito."Isto não muda nada, porque investigado o Jader já está", reclamou hoje um cardeal da legenda. A seu ver, Brindeiro teria sido "muito mais útil" para forçar a renúncia de Jader caso tivesse encampado a tese de vários procuradores que participam das investigações e acham que há elementos suficientes para abrir processo contra o presidente licenciado. Neste caso, afirma o peemedebista, a sigla teria argumentos concretos para negociar a renúncia."O problema do PMDB é que o timing do partido é um e o de Jader é outro", resumiu hoje o senador Pedro Simon (PMDB-RS) que, na véspera, subira à tribuna para pregar a renúncia do presidente licenciado. Ele é um dos poucos peemedebistas que defendem, publicamente, que o correligionário deixe a presidência, para não constranger os colegas, e prossiga a defesa, enfrentando o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado apenas como senador do Pará.Para evitar apelos em favor da renúncia na semana passada, Jader chamou os líderes do partido no Senado, Renan Calheiros (AL), e na Câmara, Geddel Vieira Lima (BA), para conversas reservadas em sua casa. Ele explicou, ali, que não tinha apego algum ao cargo de presidente, mas que abrir mão do posto em meio ao bombardeio de denúncias soaria como confissão. Mais do que isto, ele deixou claro que estava imune a pressões da legenda naquele instante, simplesmente porque não tinha mais nada a perder. "Já perdi tudo", afirmou aos interlocutores, cobrando da sigla o direito à ampla defesa no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado.Com cheque do Banpará, Jader comprou propriedade e não declarou

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.