PMDB dá como certa ida de Garibaldi para ministério da Previdência

Falta apenas o detalhe da ligação da equipe da presidente eleita para que se consolide o nome do senador na pasta

Carol Pires, do estadão.com.br,

08 Dezembro 2010 | 14h19

BRASÍLIA - O senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN) recebeu do PMDB o recado de que está certa a sua ida para o Ministério da Previdência e que falta apenas a ligação da equipe da presidente eleita, Dilma Rousseff, para marcar o encontro entre os dois. Presidente do Senado entre o final de 2007 e início de 2009, Garibaldi queria voltar à presidência da Casa, mas não encontrou apoio dos colegas de partido. O senador José Sarney (PMDB-AP) é cotado pata continuar no cargo pelos próximos dois anos.

A indicação dele para assumir o ministério da Previdência partiu do senador Renan Calheiros (PMDB-AL), líder do PMDB no Senado. A primeira opção do partido era levar Eduardo Braga (PMDB-AM) ao cargo, mas Garibaldi ouviu de Renan que o senador amazonense não aceitou a indicação.

Mais cedo, em cerimônia de posse do novo presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Benjamin Zymler, um repórter perguntou a Garibaldi se o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ficaria feliz com a indicação dele para formar a equipe de ministros. Garibaldi foi relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Bingos, que investigou o governo e, na presidência do Senado, costumava criticar o presidente Lula pelo excesso de medidas provisórias (MPs) encaminhadas ao Congresso.

"O presidente? Por que não ficaria feliz? Deve ficar feliz porque sou um membro do Parlamento, filiado ao PMDB, que a despeito de uma divergência no pleito estadual, batalhei pela eleição da presidente Dilma", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.