PMDB conta os votos para o novo comando do partido

Começou no início da noite, no ginásio de esportes do colégio Marista, a apuração dos votos da convenção nacional que vai eleger o novo comando do PMDB. Dos 519 delegados, apenas 16 deixaram de votar. A apuração foi aberta logo depois da aprovação de quatro moções, duas que tratam da relação entre o PMDB e o governo e duas que atingem integrantes do partido.Uma moção pede o afastamento de todos os filiados acusados de malversação ou desvio de recursos de bancos estaduais ? caso do presidente licenciado do Senado, Jader Barbalho (PA), suspeito de ter se beneficiado de dinheiro do Banpará.Outra pede o desligamento dos membros do partido que estejam sendo julgados por desvio de recursos públicos ? como o ex-senador Luiz Estevão (DF), processado no escândalo da construção do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo.Uma terceira moção propõe o rompimento do partido com o governo e a última delas repudia a política econômica do presidente Fernando Henrique Cardoso.De autoria do senador Roberto Requião (PR) e do ex-presidente do PMDB Paes de Andrade (CE), tal proposta foi a que causou maior polêmica, pois qualifica FHC como ?traidor do povo brasileiro?.O senador Maguito Vilela (PMDB), que presidia o encontro, declarou-a aprovada sob protesto dos governistas. Os aliados de FHC no partido afirmaram que as moções não têm efeito prático, pois ainda precisam ser aprovadas pela comissão executiva nacional. Eles resolveram não prolongar o debate sobre elas ao concluir que essa iniciativa favorecia Maguito, que parecia empenhado em retardar o processo de votação e fazer com que a comissão executiva da legenda não fosse escolhida hoje.O líder do partido no Senado, Renan Calheiros (AL), previu uma composição entre as duas alas do PMDB. ?A aliança de hoje não resultará na candidatura de qualquer um?, afirmou. ?A escolha vai ter de se dar em torno do candidato com maior viabilidade eleitoral, seja o governador Itamar Franco, o senador Pedro Simon ou o ex-presidente José Sarney?, disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.