PMDB cedeu comissão importante para o PAC a Mercadante

O PMDB cedeu sua vaga na presidência da Comissão de Assuntos Econômico (CAE) do Senado ao senador petista Aloizio Mercadante (SP). Além de avalizar os pedidos de empréstimos da União, Estados e municípios, os 27 votos da comissão serão essenciais no encaminhamento do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e de outras propostas ligadas à economia do País. A distribuição das presidências das 10 comissões permanentes do Senado se deu por um acordo entre os partidos. Como havia mais interessados do que vagas, a Comissão de Educação, entregue ao senador Cristovam Buarque (PDT-DF), ficou esvaziada: parte dos assuntos que estavam sob sua jurisdição passará a ser tratada pela recém-criada Comissão de Ciência, Tecnologia e Comunicação. Ou seja, é lá que serão examinadas questões de ponta do Ministério das Comunicações, como a regulamentação da implantação de tevê digital no País e a renovação das concessões de rádio e televisão. A proximidade da nova comissão com o ministro das Comunicações, Hélio Costa, está no fato de que ela será presidida pelo seu primeiro suplente, Wellington Salgado (PMDB-MG), ocupante da vaga em decorrência da ida de Costa para o Ministério. Dos partidos de oposição, o PFL foi o mais bem sucedido. O partido manteve a presidência da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), entregue ao senador Antonio Carlos Magalhães (BA), e mais dois cargos de comando: a presidência da Comissão de Relações Exteriores, que ficou com o senador Heráclito Fortes (PI), a vice-presidência da CAE, entregue ao senador Eliseu Resende (MG), e da Comissão de Assuntos Sociais (CAS) e Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo. Os cargos de vice ficarão com os senadores Rosalba Ciarlini (RN) e Jonas Pinheiro (MT), respectivamente. Além da recém-criada comissão entregue a Wellington Salgado, o PMDB ficou com as presidências da Comissão de Meio Ambiente e Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle e da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária. Serão presididas, respectivamente, por Leomar Quintanilha (TO) e Joaquim Roriz (DF).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.