PMDB articula adiamento de convenção

Em reunião realizada nesta segunda-feira no gabinete privativo do presidente do Senado, José Sarney, o ministro das Comunicações, Eunício Oliveira, o líder do PMDB, Renan Calheiros e Sarney tentaram chegar a um entendimento para ter a unidade do PMDB na discussão de manter ou não o apoio ao governo Lula. "Não nos interessa divisão do PMDB. Portanto, até o último momento vamos buscar uma saída para manter o partido unido", afirmou o ministro. Segundo ele, o objetivo do encontro foi programar uma reunião, na próxima quarta ou quinta-feira, da Executiva Nacional do Partido, para tentar adiar a convenção do PMDB, marcada para o dia 12, para definir o apoio ou não ao governo federal. Segundo Eunício, os aliados do governo dentro do PMDB têm dois votos a mais para resolver essa questão. "Temos a maioria absoluta. E se você tem a maioria absoluta vamos tentar chegar a um entendimento para adiar a convenção", afirmou. Ele disse ainda que a questão do apoio ao governo não envolve a doação de cargos na reforma ministerial. Segundo o ministro, isso compete exclusivamente ao presidente Lula resolver. "Só uma pessoa pode se manifestar sobre isso. É o presidente da República, que foi eleito com quase 40 milhões de votos para fazer aquilo que é melhor para o Brasil", afirmou Eunício. Ele não quis se manifestar sobre o envolvimento de dirigentes de sua empresa, a Confederal, no esquema de licitação fraudulenta no Tribunal de Contas da União, desbaratado na semana passada pela Polícia Federal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.