DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

PMDB ameaçou deixar base de Dilma se Cid não deixasse cargo

Líder do partido, Leonardo Picciani pediu a saída após o ministro da Educação apontar para o presidente da Casa Eduardo Cunha e chamá-lo de 'achacador'; partido ameaçou deixar base do governo

DAIENE CARDOSO, O Estado de S. Paulo

18 de março de 2015 | 16h58

Atualizado às 19h21

Brasília - Antes de Cid Gomes ser demitido do ministério da Educação, o líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Leonardo Picciani (RJ), pediu durante a sessão geral da Casa nesta quarta, que ele deixasse o cargo. Picciani chegou a afirmar que o PMDB deixaria a base de apoio do governo caso isso não ocorresse.

O pedido de Picciani foi feito logo depois de Cid Gomes dizer em plenário e, apontando para o presidente Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que prefere ser chamado de mal-educado do que de achacador.

Antes de apontar a Cunha, Cid chegou a pedir desculpas e disse que não tinha a intenção de agredir ninguém, "muito menos a instituição", mas disse sentir muito se alguém se enxergava nessa condição e "vestisse a carapuça". 

"Não há base com a permanência dele. Não existirá base com o governo mantendo um ministro com este tipo de atitude", afirmou o líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ). "O PMDB fez a mais formal das afirmações. Afirmou da tribuna da Câmara dos Deputados que deseja e que espera do Poder Executivo uma manifestação a respeito do comportamento do ministro Cid Gomes", disse.

"O ministro atacou não só toda a base do governo, como todo o conjunto da Casa, inclusive a oposição. Aqui não se trata de base ou não base. Trata-se de dar o respeito a esta Casa".

Questionado sobre a ameaça, após deixar o plenário, Cid Gomes jogou a responsabilidade para Dilma. "Muito bem. A presidenta resolverá o que vai fazer. O lugar é dela, sempre foi dela e eu aceitei para servir porque acredito nela." Pouco depois, o próprio presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), anunciou que o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, teria lhe telefonado e informado que Cid Gomes não é mais ministro.

Em seu discurso, Cid disse que deputados que fazem parte do governo deveriam ter posição de coerência ou que "então larguem o osso, saiam do governo". "Aqui não temos base cega, temos base de apoio convicta", rebateu Picciani.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.